Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de junho de 2022


Esporte

Ressaca vence de virada e é campeão da CopaCom

Gustavo Coelho - Do Portal

30/05/2008

 Gustavo Coelho

Quando o juiz apitou o fim do jogo, os jogadores do Ressaca mal podiam acreditar. Numa das mais tensas e emocionantes finais da história da CopaCom, a equipe laranja-e-preto derrotou o favorito Meu Time por 4 a 3, conquistando o título inédito da competição. A partida sintetizou o equilíbrio que marcou esta edição do campeonato, a nona em seu atual formato.

 

O Meu Time começou com tudo, dando a impressão de que conseguiria uma vitória folgada. Jiló marcou o primeiro gol em falha do goleiro Lucas, e Gordinho ampliou num contra-ataque rápido, apenas dois minutos depois. Mas, contrariando as expectativas, o Ressaca encontrou forças para reagir, depois que a partida ficou paralisada por alguns minutos, por conta de uma bola isolada.

No primeiro lance após o reinício do jogo, Leandrinho escorou de cabeça, sem chances para o goleiro Quintana. Em seguida, Falcão empatou, para delírio da torcida, a maioria a favor do Ressaca.

Logo no começo do segundo tempo, o Meu Time partiu para o ataque, mas o Ressaca segurou a pressão. Com a partida muito equilibrada, as jogadas ficaram mais ríspidas, e o juiz Wellington Pereira teve dificuldade para conter as reclamações. Na cobrança de uma falta duvidosa, Falcão levantou na área e João Paulo desviou de cabeça, virando para o Ressaca.

Mesmo atrás no placar, o Meu Time não desistiu da vitória, mas esbarrou na ótima defesa do Ressaca, que ainda fez o quarto gol num contra-ataque. Artilheiro do Ressaca na competição, com 11 gols, o atacante Pedro acertou um chute no canto do goleiro Quintana. O Meu Time ainda descontou nos minutos finais com Paulinho, só que não havia tempo para mais nada. Pela primeira vez, o Ressaca sagrou-se campeão da CopaCom.

- Viramos um jogo quase perdido, porque nunca faltou raça. Já estava na hora do nosso título. Chegamos perto em outras edições, e essa era praticamente a nossa última oportunidade antes de terminar a faculdade. Conseguimos, e agora é comemorar - vibrou o zagueiro Danilo.

Do lado de fora do campo, cerca de quarenta alunos acompanharam a decisão. Entre torcedores fanáticos pelos dois times, o estudante do oitavo período Daniel Galliza, que já disputou a CopaCom, matava as saudades da competição e anunciava seu retorno na próxima edição:

- Participo da CopaCom há quatro anos. Dessa vez não joguei porque o meu time não conseguiu se organizar a tempo da inscrição. Na CopaCom, sempre fiz figuração, já que algumas poucas equipes como Sangue do Pires, Kaya e Calderón dominavam o campeonato. Mas agora esses times se dissolveram, e o nível da CopaCom até caiu um pouco. Anota aí que a minha equipe, o The Van, vai estar de volta na próxima vez.

Muitos torcedores ficaram agitados com a final. Após jogar a disputa do terceiro lugar, o atacante David, da equipe do Velhafíá, torcia ansiosamente pelo fim do jogo. O motivo não era difícil de entender:

- Quero que esse jogo termine logo e seja decidido nos pênaltis, para que eu fique com o meio engradado de cerveja reservado ao artilheiro da CopaCom. Tenho doze gols, mas alguns que estão jogando aí ainda podem me passar - contou David, que acabou ganhando a “chuteira de ouro” com apenas um gol de vantagem para Pedro, do Ressaca.

A torcida feminina também se fez presente. Caloura do curso de Arquitetura da PUC-Rio, Letícia Moraes foi apoiar seu irmão João Pedro, atacante do Ressaca. Ela saiu satisfeita com o resultado, apesar da atuação criticada do irmão:

- Ele perdeu alguns gols e reclamaram dele, mas a defesa do outro time também era boa. A final foi emocionante. Achei que o nível seria pior, só que muitos jogam bem.

Disputa do terceiro lugar

Sem a pressão de decidir a CopaCom, Velhafiá e Chapahouse fizeram um jogo descontraído na disputa do terceiro lugar do torneio, que serviu de preliminar para a grande decisão. Entre provocações e risadas, prevaleceu a disposição do Velhafiá. 

A goleada de 6 a 2 pareceu exagerada aos que assistiam à partida. Sem desmerecer a vitória do Velhafiá, foi um castigo à série de gols perdidos pelo Chapahouse. Nada que atrapalhasse o clima de confraternização embalado por situações peculiares, como o atraso causado por falta de bola.  

No minuto inicial, Rogério fez o primeiro do Velhafiá. Bruzzi empatou e Vitor virou para o Chapahouse. David marcou duas vezes e pôs o Velhafiá em vantagem de novo. Rogério fez o quarto. Quando o Chapahouse encenava uma reação, a ducha fria: Lourenço defendeu o pênalti de Vitor. David e Gabriel fecharam a goleada.

Disputada pela primeira vez em 1992, a CopaCom fez sucesso entre os alunos do curso de Comunicação. Em 2004, passou a ser coordenada pelo ex-aluno Guilherme Lima, o Família, e tornou-se semestral. Nesta nona edição da “Era Moderna”, como brincam os organizadores, reuniu doze times e cerca de 150 alunos.