Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de junho de 2022


Meio Ambiente

Rio+20 já começou na internet e nas redes sociais

Sofia Miranda - Do Portal

19/03/2012

 Arquivo pessoal

Diferentemente da Rio 92, a Rio+20 ganhou uma grande aliada para a divulgação de suas ideias e notícias: a internet. A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que será realizada entre os dias 20 e 22 de junho, no Rio de Janeiro, repercutiu nas redes sociais. Além do site oficial, dezenas de páginas surgiram com o propósito de promover e dar a visibilidade ao próprio encontro e a outros também ligados ao meio ambiente.

Um exemplo é a Cúpula dos Povos por Justiça Social e Ambiental, que ocorrerá simultaneamente à Rio+20, entre 15 e 23 de junho, no Aterro do Flamengo. Organizado pela sociedade civil, a Cúpula dos Povos tem como objetivo pôr em pauta a convergência de quatro eixos: os direitos humanos, os povos, os territórios e a defesa da Terra. Coordenador do Portal da Rio+20 – Construindo a Cúpula dos Povos, o geólogo François Soulard destaca a importância do site para o movimento:

– Politicamente, vemos que as redes sociais acompanham a emergência de novos atores e movimentos sociais. O nosso trabalho é selecionar propostas, iniciativas e reflexões em relação aos temas da Rio+20 e criar debates em torno disso, através de grupos temáticos, fóruns e redes sociais. O Facebook e o Twitter ajudam nesse papel de divulgação, são redes complementárias ao Portal da Rio+20 – explicou François, lembrando que qualquer pessoa pode participar dos fóruns dentro dos grupos do Portal da Rio+20.

A Bicicletada Nacional Rumo à Rio+20 é outro movimento que reuniu seguidores por meio do blog e dos grupos no Facebook. Gente de todos os estados do país vai pedalar até o Rio de Janeiro para participar da conferência. Uma delas é Vinícius Leyser da Rosa, de 26 anos (foto acima). Estudante de Psicologia e de Cinema da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), ele usa a bicicleta em seu dia-a-dia desde os 12 anos. Vinícius acredita que as redes sociais desempenham um papel importante na divulgação de movimentos como este:

 Arquivo pessoal– Nunca foi tão fácil compartilhar causas, ações, imagens, ideias, eventos e notícias interessantes com pessoas que você nunca conheceu pessoalmente, mas que pensam como você. Neste caso, é por uma excelente causa: a bicicleta e sua íntima relação com um novo modelo de cidade e desenvolvimento geral que nossos governantes precisam levar a sério. Espero que a Bicicletada seja segura, saudável e divertida – ressalta Vinícius.

O Ministério do Meio Ambiente criou um site que reúne informações sobre a Rio+20, como agenda, documentos oficiais da conferência e informações sobre os organizadores. Há também o site Mulheres rumo à Rio+20 – A sustentabilidade no feminino, que pretende, em um de seus vértices, atrair e mobilizar mulheres interessadas nas questões de sustentabilidade para discutir o papel e liderança femininos em negócios e empreendedorismos verdes.

Integrante do grupo da Rio+20 no Facebook, a jornalista Sucena Shkrada Resk (foto acima), de São Caetano do Sul, em São Paulo, considera a utilização da internet para assuntos voltados à área de sustentabilidade fundamental para a troca de informações, reflexões e experiências na área, mas alerta para a necessidade de senso crítico quanto aos conteúdos publicados.

– Funciona como um exercício de aprendizado, pois a ação não se resume a postar, e sim pesquisar e unir o racional ao aspecto da sensibilidade sobre os temas. E é preciso ponderação, porque ao mesmo tempo há informações úteis e outras tendenciosas. Aí está a importância de sabermos filtrar tudo que nos chega por esses meios – opina a jornalista.

Sucena, que nos últimos cinco anos se dedica à área de jornalismo socioambiental, utiliza as redes sociais não só pelo engajamento pessoal, mas também profissionalmente.

– Eu uso o Facebook por exercício de cidadania e também de profissão. É um rico campo de avaliação e trocas de pautas, e de reconhecimento dos processos e personagens que compõem o cenário da militância socioambiental no país. E ainda serve de inspiração para alguns artigos em meu blog, Cidadãos do Mundo – conta.