Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Dom Orani abre o primeiro Mutirão da Comunicação no Rio

Caio Lima e Igor de Carvalho - Do Portal

18/07/2011

Eduardo de Holanda

Com o tema Comunicação e Vida: Diversidade e Mobilidades, o 7º Mutirão Brasileiro de Comunicação (Muticom) ganha os pilotis da PUC-Rio. Na missa de boas vindas, domingo à tarde, na Igreja do Sagrado Coração, no campus, a eucaristia foi celebrada pelo presidente do Conselho Pontifício de Comunicação Social, Dom Claudio Maria Celli. Participaram também da cerimônia o presidente da Comissão Episcopal de Comunicação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Dimas Lara Barbosa; o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta; o bispo de Picos (Paraná), Dom Plínio José Luz da Silva; o bispo de Guarapuava (Paraná), Dom Antônio Wagner da Silva; o reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., e o coordenador geral do 7° Mutirão, padre Omar Raposo. 

Logo depois da missa, a solenidade de abertura reuniu, no ginásio da universidade, aproximadamente 500 pessoas, entre participantes do Rio e de outros municípios do país, representantes da Igreja Católica e acadêmicos. Alunos do Colégio Notre Dame, de Ipanema, carregaram as bandeiras dos estados brasileiros (veja a íntegra da solenidade na TV do Portal PUC-Rio). Ao "declarar abertas" as atividades do Muticom, Dom Orani, lembrou que "os meios de comunicação são as nossas vozes, para demonstrar nossas esperanças. Já Dom Dimas disse que o Mutirão é uma oportunidade de "escancarar as portas do coração":

– É uma chance de nos colocarmos como discípulos e utilizar os meios de comunicação para transmitir a mensagem de Cristo ontem, hoje e sempre – enfatizou, lembrando o papa João Paulo II.

Padre Josafá destacou a importância dos debates na universidade, "trabalhando os valores do evangelho nos processos comunicativos". Para o professor Miguel Pereira, coordenador acadêmico da iniciativa, o 7° Mutirão é resultado de uma caminhada conjunta, "refletindo o engajamento da comunicação da Igreja".

– Oportunidade de pensar na formação dos valores, trabalhar novas alternativas de comunicação – sintetizou. 

Semana terá 13 painéis temáticos e 33 oficinas

Até o próximo dia 22, mais de mil estudantes, acadêmicos e profissionais de comunicação, além de representantes da Igreja Católica, participarão de 12 grupos de trabalho, 13 painéis temáticos, 33 oficinas e – a grande novidade desta edição – 17 visitas a instituições e projetos sociais relacionados àquela área (veja a programação completa em www.muticom.com).  

 – Essa nova oportunidade se concretizou graças ao fato de o Rio de Janeiro ser um polo importante no setor. A cidade abriga diversos projetos e veículos de comunicação, seja da grande imprensa, ou não – ressalta o coordenador acadêmico do Mutirão, Miguel Pereira, professor do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio.

Iniciativa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, o Muticom foi criado em 1998 com o objetivo de “articular a comunicação da Igreja no país”. Pela primeira vez no Rio, acolherá também o 2º ComGás – Encontro de Pesquisadores em Comunicação da PUC, no qual são discutidos temas relevantes à vida profissional do comunicólogo.  

– O desafio da comunicação consiste não apenas na busca de metodologias inovadoras e linguagens adaptadas aos sinais do tempo, mas também no resgate do sentido profundo do processo comunicativo, onde o equilíbrio da singularidade e pluralidade da liberdade humana é algo fundamental – destaca padre Josafá.

Na opinião de Miguel Pereira, o Muticom exerce uma “função de intervalo na vida cotidiana para refletir e debater assuntos que interessam à comunicação”. Por outro lado, é uma oportunidade de os estudantes entrarem em contato com a prática profissional. Estão programadas, por exemplo, oficinas de treinamento de mídia, locução, fotojornalismo, assessoria de imprensa, publicidade, gravação para TV, construção de site colaborativo, rádio comunitário, estratégias de evangelização pelas redes sociais, leitura interativa da Bíblia, comunicação e terceiro setor, cineclube e até evangelização por meio dos games.

– Um dos objetivos é auxiliar a capacidade de produção dos estudantes. Aos alunos do Departamento de Comunicação da PUC, só resta aproveitar esse momento particular. O mercado de trabalho, invariavelmente, está presente nesse tipo de iniciativa – ressalta o professor.

A proximidade com o mercado é reforçada pela participação de profissionais nos painéis temáticos, dois por dia: no ginásio e no RDC, este com exibição de curtas seguida de debate. Na terça-feira (19), por exemplo, o diretor Carlos Diegues e o repórter da TV Globo Marcelo Canellas vão integrar o painel Documentário, ficção e vida cotidiana. Na quarta-feira (20), o tema Comunicação como processo de valorização da vida será discutido pelo jornalista e professor da PUC-Rio André Trigueiro, pelo reitor, padre Josafá Siqueira, S.J., e pela também professora da universidade Maria Clara Bingemer.

Na quinta-feira (21), também às 9h, será exibido o vencedor do Prêmio Margarida de Prata em 2006, O longo amanhecer – Cinebiografia de Celso Furtado, do cineasta e professor da PUC José Mariani. Em seguida, às 11h, o debate reunirá, além do diretor, a diretora do Departamento de Comunicação, Angeluccia Habert; a jornalista Rosa Furtado, diretora do Centro Internacional Celso Furtado de Políticas para o Desenvolvimento; e Ricardo Ismael, professor do Departamento de Sociologia e Política.

 Eduardo de Holanda

Os participantes do Muticom podem também trocar experiências teóricas. Umas delas remete ao2º ComGás – dias 19, 21 e 22 –, no qual são apresentados projetos e pesquisas de alunos de graduação e pós-graduação e profissionais da comunicação, divididos em mesas temáticas. Por exemplo, na terça-feira (19), entre 13h40 e 15h15, a Mesa I – Cinema como experiência transformadora agrega três dissertações de mestrado. Já na quinta-feira (21), entre 16h20 e 17h30, o tema da Mesa V será Mídias e Religião. Nela, o mestrando Paulo Jurandir, da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), mostra a pesquisa O desenvolvimento comunicacional na Igreja Católica no Brasil: análise sobre o aumento na contratação de jornalistas nas (Arqui)Dioceses.

Outra oportunidade de se debater a comunicação na teoria são os Grupos de Trabalho (GT). Destaque para o do palestrante Leonel Aguiar, mestre e doutor em Comunicação pela UFRJ e professor da PUC. Neste grupo, dia 20, será debatida a Responsabilidade socioambiental e comunicação. Os GTs e as oficinas do ComGás se estendem das 13h30 às 17h30.

Para animar o 7º Muticom, foram convidados artistas reconhecidos da música brasileira. Jorge Vercillo, por exemplo, se apresenta na segunda-feira (18) às 13h. No dia seguinte, às 19h30, é a vez de o grupo Farofa Cariocar agitar os pilotis. No encerramento do Mutirão, sexta-feira (22), às 19h30, a Beija-Flor, atual campeã do carnaval carioca, apresenta sua bateria com 60 integrantes.

O Muticom também acolhe a entrega dos Prêmios de Comunicação da CNBB, quarta-feira (20), às 20h, no ginásio. São quatro prêmiações: Prêmio Margarida de Prata (cinema); Prêmio Microfone de Prata (rádio); Prêmio Dom Helder Câmara (melhor reportagem); e Prêmio Clara de Assis (para televisão). Os vencedores deste – a reportagem Caravana JPB-Paraíba, de Laerte José Serqueira da Silva, da TV Cabo Branco (afiliada da Rede Globo) e os documentários Paternidades Ausentes, histórias incompletas, da TV PUC-Rio, e Irmã Dulce, de Pedro Luiz Monteiro Teixeira, da Rede Canção Nova – receberão o prêmio das mãos do escritor e cantor padre Fábio de Melo. Já é possível conhecer os vencedores dos prêmios no site do Mutirão.