Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de junho de 2022


Cultura

Concursos de jornalismo sinalizam demandas do mercado

Gustavo Rocha - Do Portal

17/05/2011

Mauro Pimentel

Os concursos de jornalismo para universitários, promovidos anualmente, são uma boa oportunidade para estudantes e professores conhecerem as demandas do mercado. Segundo profissionais da área, a tendência atual dos jurados de preferir matérias criativas, com tom humano e variedade de fontes, por exemplo, é um sinal do que as empresas desejam de seus futuros jornalistas.

– A escolha recai sobre uma reportagem criativa, humana, com pluralidade de fontes, que dê voz a quem geralmente não é ouvido – afirmou a jornalista Marcia Detoni, jurada da primeira edição do Prêmio CBN de Jornalismo Universitário, de 2009. – Desta forma, o concurso sinaliza o que o mercado valoriza numa reportagem.

Para Detoni, os concursos são úteis porque desafiam os estudantes a produzir matérias nos moldes do mercado, além de oferecerem um retorno imediato. Aos premiados, a confirmação de que estão no caminho certo. Aos não premiados, o convite a uma reflexão sobre a própria formação acadêmica e a um maior empenho na faculdade.

– Recebemos muitos trabalhos que reproduziam velhas práticas, como matérias somente com fontes oficiais – apontou. – Isto é, novos jornalistas, velhos paradigmas.

Além de ser um laboratório, os concursos também podem abrir portas no mercado para o jovem: os vencedores dos prêmios acabam se destacando nos processos seletivos dos veículos de informação.

– No caso do rádio, o candidato premiado parece já preparado para lidar com as exigências do mercado. É diferente do estagiário comum que, apesar da grande vontade que tem de aprender, chega na redação ainda muito "cru" – contou Caroline Morand, repórter da CBN-Rio, que acompanha as equipes de estagiários da emissora.

Juliana Conte – uma das vencedoras do Prêmio ESMPU de Jornalismo Universitário de 2009 – espera que a conquista lhe dê vantagem em processos de seleção.

– Jornalista tem que ter diferencial que dê credibilidade ao seu currículo – afirmou. – A faculdade não é tudo. 

 Arquivo pessoal

Segundo Paulo Eduardo Scheuer, um dos vencedores do prêmio CBN de 2009 junto com Karina Gomes, atual produtora do programa CBN Noite Total, os concursos consistem, também, na oportunidade do estudante ter acesso a todas as etapas da produção de uma reportagem e de se envolver diretamente nelas.

– Fixei bem a maneira como apuramos, editamos e produzimos a matéria. Hoje, quando faço uma entrevista, me lembro da abordagem que fizemos, de como entramos em contato com as fontes, enfim, de tudo o que aprendemos nesse momento – explicou.

Para Marcia Detoni, as faculdades também podem aproveitar os concursos de jornalismo universitário. Ao analisar as matérias vencedoras, os professores tomam conhecimento das exigências do mercado, de quais elementos uma reportagem precisa ter para ser considerada de boa qualidade.

– A academia pode comprovar que o jornalismo tradicional e burocrático não é mais valorizado – recomenda.