Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de junho de 2022


Cultura

Palestrante da Semana ABC enaltece o formato analógico

Mauro Pimentel - Do Portal

11/05/2011

Stéphanie Saramago

O crescimento da produção cinematográfica digital está muito mais ligado ao fluxo de trabalho e à redução de gastos do que a uma melhoria na qualidade. Foi assim que o representante técnico de vendas da ARRI Jeffrey Reyes apresentou o futuro da indústria do entretenimento, em palestra na PUC-Rio. Reyes foi um dos convidados da semana ABC (Associação Brasileira de Cinematografia), principal encontro de técnicos do cinema brasileiro, realizado entre os dias 4 e 7 de maio, no Auditório RDC da PUC-Rio.

– Filmes como Cisne Negro e O Discurso do Rei foram filmados com nossas câmeras analógicas – disse Reyes. 

Ambas as películas citadas concorreram ao Oscar 2011 em variadas categorias, entre elas a de melhor filme do ano. Cisne Negro venceu na categoria de melhor atriz, com Natalie Portman, e O Discurso do Rei levou quatro estatuetas: de melhor filme, direção, ator (Colin Firth) e de roteiro original. 

Segundo o técnico, as principais empresas de equipamento para cinema continuam a pesquisar e colocar no mercado novos modelos analógicos. O principal motivo é a qualidade da imagem que, para Reyes, continua passos atrás no digital.

– Nos últimos meses, o digital atingiu um nível de excelência. Pode ser utilzado nas mais diferentes produções. Mesmo assim, quando se coloca a qualidade na frente dos custos, o filme continua sendo a única opção – afirmou Reyes.

A busca pela melhoria no fluxo de trabalho – pré-produção, produção e pós-produção – é um dos principais cartazes do mundo digital. Mesmo assim, um grupo crescente de produtores trocam atualmente seus cartões de memória pelas antigas câmeras de 16mm, que guardam a qualidade do filme junto da portabilidade e do baixo custo de compra e manutenção do equipamento. Reyes contou que essa corrida para as câmeras de 16mm cresce em um ritmo exponencial nos Estados Unidos.

– Logo essa tendência deve chegar ao Brasil. Por menos da metade do valor de uma câmera DSLR, que filma em Full-HD, você compra uma belíssima 16mm com tudo o que você precisa para trabalhar.

Uma câmera de 16mm, modelo básico, pode ser adquirida por R$1700, enquanto uma filmadora digital DSLR, comumente utilzada em filmes e comerciais, não sai por menos de R$3000.