Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 26 de junho de 2022


Cultura

Novo livro de Martha Mendonça inverte clichê da relação a dois

Gabriela Caesar - Do Portal

27/04/2011

 Cristina Lacerda

Formada em jornalismo pela PUC-Rio em 1992, Martha Mendonça passou pelas editorias Cidade e Economia do jornal O Dia e trabalha na Época desde a segunda edição da revista, em 1998. Porém, foi quando deixou a redação de um jornal diário que o prazer pela ficção despertou. "O jornal toma seu tempo, sua mente, sua alma. Eu nem pensava em escrever, fazer ficção, teatro, roteiro de TV. Nada", diz. Acabou fazendo tudo isso. Agora Martha inverte o clichê de que homens são sempre os cafajestes em uma relação ao lançar seu primeiro livro sozinha, o terceiro da carreira: Canalha, substantivo feminino (Editora Record, 2011, R$ 29,90).

– Os homens são mais canalhas em quantidade, as mulheres, em qualidade – observa Martha – E as canalhas vivem dentro de nós. Cabe a cada uma (e cada um) permitir que elas se manifestem ou deixar tudo no plano das ideias.

As 144 páginas do lançamento reúnem seis histórias de "canalhices" femininas. Desde a estagiária Larissa, que acaba com o casamento do chefe, até a dentista Cristina, que mata o marido aos poucos.

– Quando eu quis escrever o livro, tinha um outro, chamado Meu Querido Canalha, em que vários autores (Marcelo Madureira, Ruy Castro, Geraldo Carneiro) contavam histórias de canalhices masculinas. Pensei: mas por que os canalhas são sempre os homens e as mulheres, as vítimas? Aos poucos, as outras histórias foram surgindo. E, no livro, há uma homenagem especial a esses autores: os homens zoados levam os nomes deles – conta.

A jornalista reconhece a influência dos fatos nos contos. Lembra-se de um caso vivido por um amigo na adolescência que "não acabou bem" e inspirou a personagem Diana, professora de inglês que namora vários enquanto o noivo acredita na sua castidade.

– Uns meses depois que conheci a noiva de um amigo, encontrei-o andando cambaleante na rua. Dias depois eu soube que ele tentou se matar com remédios. O motivo: ela tinha largado ele – recorda.

A imaginação de Martha transformou o episódio na base para o quinto conto. Ela admite, no entanto, que até hoje não sabe nada sobre a tal noiva do amigo, nem sobre o “que ela fez para ele tentar se matar”.

– Os homens acham mesmo que eles é que sofrem com as tentações, que é deles que parte a fidelidade de um casal. Tadinhos. Não é que as mulheres saibam se controlar melhor. Elas sabem é esconder melhor – opina.

 Divulgação

Dividida entre a rotina de jornalista e os afazeres de escritira, Martha sabe que a vida em redação às vezes se aproxima da ficção:

– Estive na "época de ouro" de O Dia. Numa bela sexta-feira de fechamento, garçons invadiram a redação com bandejas de champagne. Era a comemoração, porque estávamos vendendo um milhão de exemplares aos domingos.

Ainda estudante da PUC-Rio, Martha colaborou para o JornalZinho, editado por Lula Branco Martins, professor do Departamento de Comunicação Social e repórter da Veja Rio. Ela conta que ex-colegas desse jornal universitário hoje participam da seção Mulheres pelo mundo, no blog do qual faz parte, Mulher 7x7, da Editora Globo.

– Mas engraçado que, ainda naquela época, eu fiz a minha primeira adaptação de teatro, a pedido de um professor. Adaptei As três irmãs, de Tchekhov, para uma linguagem mais jovem – lembra.

Com a amiga e também jornalista Carla Rodrigues, professora do Departamento de Comunicação da PUC-Rio, Martha escreveu o blog Elas por elas. O resultado da parceria foi o livro Mulheres no Ataque (Editora Planeta, 2003), repleto de histórias contadas pelo ângulo feminino.

Casada com Nelito Fernandes, também colega de redação, publicou o romance Eu e você, você e eu (Editora Record, 2009). A obra retrata um relacionamento por dois pontos de vista: do homem, escrito por Fernandes, e da mulher, por Martha.

– A realidade é ponto de partida para tudo. Um acontecimento na sua vida ou na de outra pessoa, uma história da qual você ouviu falar – observa.

Ainda com o marido, foi coautora da peça teatral Os Difamantes, sucesso de 2009 protagonizado por Emilio Orciollo Netto e Maria Clara Gueiros. Atualmente, Martha está por trás do site de humor Sensacionalista.com.br, que virou programa de TV no canal Multishow, com o codinome Desiree Aparecida.