Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de junho de 2022


Campus

Calouros são recebidos no "Meu primeiro dia na PUC"

Bruno Alfano, Carina Bacelar, Gabriel Picanço e Gustavo Rocha - Do Portal

22/02/2011

Isabela Sued

Decanos e coordenadores de departamentos apresentaram hoje (21/02), no “Meu primeiro dia na PUC”, os cursos e o campus da universidade para os calouros do primeiro semestre de 2011. Durante as boas-vindas, o reitor da PUC-Rio, padre Josafá Carlos de Siqueira, S.J., participou de um “rito” de inauguração da primeira turma de graduação do curso de biologia: a caloura Débora Garrido plantou uma Avonia Unifolia, espécie de árvore em extinção típica da restinga.

– Essa planta marca o início do curso de biologia na PUC. Um curso que pretende formar um novo biólogo, com uma nova forma de pensar. Um profissional capaz de resolver os problemas ambientais que, cada vez mais, são sociais – afirmou o reitor, que também é biólogo.

A voluntária do ato, que eterniza a primeira turma do curso na universidade, tem uma ligação familiar com a PUC. A mãe da nova aluna é a pesquisadora Rosana Garrido, do Departamento de Química da universidade. Débora, de 19 anos, conta que sempre desejou o curso de biologia e escolheu a PUC atendendo a um desejo da mãe.

 Luísa Nolasco – Além de ser uma ótima universidade, estudar na PUC sempre foi o sonho da minha mãe – revelou.

Enquanto os 20 alunos de biologia presenciavam o nascimento do curso, no ginásio cerca de 150 calouros do tradicional curso de comunicação social recebiam informações detalhadas sobre a vida de estudante da PUC. Foi explicado aos novos alunos desde o funcionamento do estacionamento até os projetos interdisciplinares. Segundo a coordenadora de graduação de comunicação social, Sandra Korman, o “Meu primeiro dia na PUC” tem uma dupla utilidade. Na visão da professora, além de situar o aluno na universidade, o encontro também tem um propósito simbólico.

 – O “Meu primeiro dia na PUC” tem duas funções: uma explícita, de transmissão de informação para o aluno poder se estruturar na faculdade, e outra implícita, simbólica. É o momento em que o jovem entra em contato com a faculdade. É o início de um projeto de vida. 

Para a aluna Karina Veiga, de 17 anos, a sua caminhada profissional começou quando escolheu a PUC. Segundo ela, a perspectiva de um bom emprego foi fundamental na decisão.

– Eu espero que a PUC me ajude a conseguir um bom emprego – afirmou a futura jornalista.

 Isabela Sued No encontro, o vice-diretor do Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (Nima), Fernando Walcacer, chamou a atenção para os projetos ambientais aos novos alunos. Segundo o professor, eles também têm que participar.

– A expectativa do Nima é integrar esses alunos na construção de uma universidade sustentável.

O ginásio do campus também foi o cenário da recepção aos calouros do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH). O vice-reitor Comunitário, Augusto Sampaio, deu as boas-vindas aos novos alunos de artes e design, educação, filosofia, letras, psicologia e teologia.O professor fez questão de ressaltar o espaço de interação entre alunos de diferentes cursos que, segundo ele, é uma das vantagens da PUC.

– Essa é a única universidade em que o aluno de um curso pode se encontrar com um de outro departamento no próprio campus – afirmou.

O professor Augusto Sampaio também cedeu espaço para membros do DCE da PUC-Rio. Carolina Peterli, 22 anos, aproveitou para ressaltar a importância dos eventos culturais da universidade.

 Isabela Sued – As atividades culturais são as que mais atraem os calouros. Eles são sempre o nosso foco, o “sangue novo” – afirmou a estudante do 4º ano de relações internacionais.

Após o término do evento, os alunos de psicologia foram encaminhados ao auditório Padre Anchieta. Ali, puderam conferir uma palestra da coordenadora do curso Helenice Charchat.

– Esse evento é importante não só para dar as boas-vindas, mas, também, para apresentar as características de nosso departamento, como a possibilidade do aluno conhecer todas as correntes da psicologia – afirmou a professora, que aproveitou para anunciar a nova disciplina “Estágios Básicos”, a ser cursada a partir do 4º período.

Os alunos de letras, por sua vez, foram encaminhados a uma sala do primeiro andar do Edifício Cardeal Leme. Momentos antes de iniciar a palestra, a coordenadora do curso, Erica Rodrigues, adiantou o que seria falado na reunião.

– Fazemos uma apresentação geral do curso, do Departamento, das atividades complementares, dos domínios adicionais. É uma panorâmica, para que o aluno comece a entrar um pouco no espírito da universidade – afirmou Erica, vinculada à PUC-Rio desde 1992.

 Carolina BastosDe manhã, o "Meu primeiro dia na PUC" foi aberto com as atividades do Centro Técnico Científico (CTC), que abriga os alunos dos cursos de engenharia, arquitetura, ciência da computação, matemática e física. No ginásio da universidade, às 9 horas, a coordenadora setorial de graduação Noemi Rodriguez deu as boas vindas aos calouros e resumiu as apresentações e atividades do dia e o organograma do decanato.

O destaque feito por Noemi foi para as parcerias entre empresas privadas, principalmentes nos ramos do petróleo e das telecomunicações, e a universidade. Esses projetos de desenvolvimento fizeram crescer, segundo ela, as oportunidades de estágio na própria PUC, “interessantes e envolventes”.  Alguns resultados dessas parcerias foram o Ginga, sistema de TV digital e a linguagem Lua, para o desenvolvimento de jogos eletrônicos.

A coordenadora setorial também destacou a valorização da universidade no mercado e apresentou gráficos desmonstrado que o índice de absorção dos profissionais da PUC beira os 100%.

Noemi ressaltou também a importância da existência de um ciclo básico, com duração de dois anos dos cinco previstos para as graduações do CTC. Durante essa etapa, segundo ela, o aluno recebe uma base científica de física e matemática, mas também inicia práticas laboratorias e atividades que trabalham o raciocínio lógico.

– À medida que a sociedade evolui, a gente sente a necessidade de combinar conhecimentos de vários departamentos – acredita Noemi, ao destacar o intercâmbio acadêmico entre os cursos do setor.

 Carolina Bastos Logo após Noemi, Gláucio Siqueira, coordenador do ciclo básico, saudou os estudantes. Segundo ele, este ano, o CTC oferecerá assistência aos calouros durante esses primeiros dias na PUC, quando geralmente surgem muitas dúvidas:

– Durante essa semana, haverá um estande do ciclo básico no edifício Cardeal Leme para atender os calouros – ressaltou.

 Siqueira definiu o ciclo básico do CTC com “o alicerce que os alunos terão para completar essa jornada”:

 – Hoje começa uma nova etapa na vida de vocês – disse, alertando para a importância dos estudos nessa fase – Vou cobrar excelência.

Entre os calouros, o clima era de muita expectativa. Julia Prestes e Vitor Thielle contaram que decidiram “acordar cedo e vir para as palestras” no intuito de conhecer a faculdade e os novos colegas. Mas a convicção a respeito da escolha do curso não era a mesma entre eles:

 Carolina Bastos– Não sei por que escolhi engenharia de produção. Eu gosto de física e matemática e não gosto das outras matérias. Eu sempre soube que queria fazer engenharia, mas não sabia qual – disse Julia.

– Escolhi engenharia de produção porque é a engenharia mais abrangente, e tem mais mercado – justificou Vitor.

Também caloura de Engenharia de produção, Ana Elisa Viana se disse animada, apesar de prever o “cansaço dos cinco anos que ainda faltam” para a conclusão do curso. Sua opção foi baseada na afinidade que a jovem disse ter com a área administrativa:

– Fiquei em dúvida entre administração, economia e engenharia de produção. Acho que é um curso que abrange tudo, tem um pouquinho de cada um.

Luiza Novaes, diretora do Departamento de Artes e Design, foi quem passou aos calouros as primeiras instruções para a nova vida acadêmica. Além dos detalhes acadêmicos, Luiza destacou a importância dos alunos “explorarem o espaço da universidade” relacionando-se com as várias áreas de conhecimento que a PUC abriga e são essenciais para a vocação interdisciplinar natural do Design.

 Luísa Nolasco - O design tem em sua a natureza o relacionamento muito forte com os outros cursos. Tem um lado técnico, tecnológico e outro muito humanista - afirmou.

Os novos alunos de Design, Gabriel Franklin e Erica Janér, que sempre sonharam em fazer o curso que estão ingressando, se dizem animados com a estrutura e o corpo docente da PUC.

- Eu, assim como a maioria dos alunos de design, tem a vontade de fazer o curso desde criança. No meu caso, que quero fazer animação, a PUC é o melhor lugar e foi a minha primeira opção – afirma Gabriel.

Recebendo os novos alunos de administração, direito, economia, geografia e meio ambiente, história, relações internacionais sociologia e política e serviço social, o decano do Centro de Ciências Sociais, Luiz Roberto Cunha, e representantes de outros setores da universidade, como a biblioteca e a pastoral, deram as primeiras instruções aos alunos recém-saídos da escola.

 Isabela SuedDiana de Oliveira Azevedo, caloura de administração, achou informativas e esclarecedoras as palestras apresentadas no "Meu primeiro dia na PUC":
 
- A recepção e as palestras me esclareceram sobre alguns detalhes importantes, e me fizeram conhecer um pouco mais do meu curso. Espero conseguir aprender o máximo possível - afirmou.