Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 20 de março de 2019


Cultura

Encontro comemora 25 anos de "Magia e Capitalismo"

Thaís Chaves - Do Portal

18/11/2010

 Isabela Sued

Um encontro realizado na terça-feira (16/11) comemorou os 25 anos de publicação da obra Magia e capitalismo: Um olhar antropológico da publicidade, do professor do Departamento de Comunicação Social Everardo Rocha. O autor recebeu um vídeo de homenagem produzido pela TV do Portal PUC-Rio Digital, que foi exibido na ocasião, e ouviu os comentários sobre a obra feitos pelo professor Roberto DaMatta, do Departamento de Sociologia e Política da PUC-Rio e orientador de mestrado de Everardo Rocha, cuja dissertação deu origem ao livro, e do professor do Departamento de Filosofia Danilo Marcondes. O professor do Departamento de Comunicação Social José Carlos Rodrigues foi o mediador.

– A relação entre magia e capitalismo está cada vez mais estreita. Pretendo escrever outro livro sobre o assunto – confessou Everardo Rocha.

Roberto DaMatta ressaltou o apelo aos símbolos tratado na obra. Para ele, o livro tem um toque de simplicidade e clareza muito grande. Naquela época não era muito fácil falar do sistema capitalista fora de determinadas perspectivas teóricas, afirmou, referindo-se ao domínio do marxismo na academia.

– Havia um certo tabu para falar de certas áreas do capitalismo – lembrou o professor.

 Isabela Sued DaMatta citou a evidente necessidade da área publicitária de trazer de volta o passado e ter de lidar com memórias. Segundo ele, há uma tendência muito forte na área de lidar com os aspectos da produção. "Sem o consumo, não há capitalismo", afirmou o professor.

O conceito de “fetichismo” (animismo e magia) foi lembrado por diversas vezes como um aspecto da obra do filósofo alemão Karl Marx. Segundo os professores, a questão, desprezada em geral pelos marxistas, constitui o cerne de Magia e capitalismo. Afinal, para DaMatta, não há sistema social que não tenha sido inventado.

– Quando nós antropólogos revelamos que a sociedade foi inventada, as pessoas em geral ficam em choque. A relação entre meios e fins varia. Ela é problematizável. O antropólogos descobriram isso. Nesse ponto de vista, o livro faz essa relação pela primeira vez – revelou Roberto DaMatta.

O professor Danilo Marcondes afirmou que o tempo reforça a importância do estudo de Everardo Rocha, pois "em um país de poucos leitores, um livro que comemora 25 anos é por si só muito significativo". Magia e Capitalismo, conforme ressaltou, concretiza a interdisciplinaridade, algo muito difícil de ser conseguido. A obra reúne, por exemplo, conceitos de antropologia, publicidade e administração.

Segundo o professor, a relação entre magia e capitalismo não é nada óbvia, pois as pessoas geralmente associam o sistema com a ciência e a técnica.

 Isabela Sued – Não existe produção sem consumo e consumo sem publicidade – afirmou.

Danilo Marcondes avaliou também a influência do estruturalismo de Levi Strauss, para ele, uma das grandes contribuições do século XX. Segundo o professor, a antropologia estrutural ainda é um método bastante eficiente de analisar as sociedades.  

Ao fim, Everardo Rocha deu uma dica para futuros pesquisadores: não optar por temas que podem ser esquecidos. Além disso, desenvolver suas pesquisas sempre tendo por base um grande autor.