Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Mesa discute direitos humanos na América Latina

Thaís Chaves - Do Portal

10/11/2010

 Stéphanie Saramago As consequências da ditadura militar no Brasil, com enfoque nos direitos humanos e a contextualização do tema na América Latina perante o cenário mundial foram os principais assuntos abordados na mesa-redonda "Movimentos sociais em foco: democracia e direitos humanos na América Latina". Realizado na segunda-feira (08/11), como parte da Semana interdisciplinar dos Centros Acadêmicos de Geografia, Ciências Sociais e Relações Internacionais, o encontro teve a presença do ex-presidente do Instituto dos Advogados do Brasil (IAB) João Luiz Pinaud, do professor do Departamento de Geografia da PUC-Rio Álvaro Ferreira e do professor do Departamento de Relações Internacionais da universidade Daniel Aragão.

 Stéphanie Saramago João Luiz Pinaud explicou a constância da violação dos direitos humanos na América Latina, principalmente por causa da miséria e da repressão, na época das ditaduras. Segundo o ex-presidente do IAB, a liberdade de expressão foi valorizada pela sociedade a partir desse momento.

– A tortura era a maior marca da ditadura e provocou muitos males na população, como o medo – afirmou.

Na opinião do João Luiz Pinaud, a repressão aumentou a busca pelos direitos humanos na América Latina. Contudo, a região não desenvolveu plenamente a consciência desses direitos.

– A democracia é obtida a partir da prática e da educação social – ressaltou. 

O professor Daniel Aragão observou o interesse mundial no desenvolvimento dos direitos humanos e da democracia na América Latina, após a época das ditaduras. Na opinião do professor, Estados Unidos e Europa estão estagnados com relação a esse assunto, mas a América Latina pode trazer nova interpretação na discussão dos direitos humanos.

 Stéphanie Saramago – A Bolívia passou por um processo rico de construção e aprofundamento da democracia, como a formação do Estado plurinacional – acrescentou.

Segundo Daniel Aragão, a partir da segunda metade do século XX ocorreu a emergência de novos movimentos sociais com temas inéditos e relevantes para a agenda política. Conforme afirmou, os movimentos clássicos, como os sindicatos, perderam espaço. O professor disse também que não se deve confundir os novos direitos com direitos humanos.

– Na Finlândia, por exemplo, o Estado declarou o acesso à internet como direito da sociedade – concluiu.

O professor Álvaro Pereira debateu os projetos de revitalização da região portuária no Rio de Janeiro.