Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Professores, alunos e funcionários avaliam a PUC-Rio

Stéphanie Saramago - Do Portal

21/10/2010

 Stéphanie Saramago

Começou na segunda-feira, 18, o processo de Avaliação Interna da PUC-Rio. Serão avaliados por professores, alunos e funcionários pontos como ensino e pesquisa, corpos docente, discente e técnico-administrativo, organização e gestão, comunicação interna e externa e infra-estrutura. Serviços como o do Departamento de Admissão e Registro (DAR), da biblioteca e do estacionamento também serão considerados.

A Comissão Própria de Avaliação da PUC-Rio enviou um email para os três corpos avaliadores da universidade, avisando sobre o início do processo. A avaliação interna existe na universidade desde 1997 por iniciativa própria, e a partir de 2004 ela passou a ser obrigatória pelo MEC.

O coordenador-central de Planejamento e Avaliação, Luiz Alencar Reis da Silva Mello, ressalta a importância do processo: “Quem está avaliando são os três corpos importantes da universidade”, disse Silva Mello. Para o coordenador, é a partir de um olhar interno com participação direta dos funcionários, professores e alunos de graduação e pós-graduação da universidade que é possível identificar problemas e realizar melhorias para a universidade.

Um ponto diferencial do processo interno, conforme destacou Silva Mello, é que os aspectos avaliados são mais específicos da universidade e encobrem áreas que uma avaliação externa, que também é exigida pelo MEC, não consegue estimar. “Elas são muito mais focadas na questão acadêmica”, afirmou o coordenador.

Quanto à avaliação feita dos professores pelos alunos, Silva Mello disse que em geral ela é positiva. “A média geral numa escala de cinco que os professores e o ensino recebem é de 4,3”, afirmou o coordenador.

Para ele, é fundamental ouvir a comunidade, no intuito de ver como estão percebendo os serviços prestados no campus. Segundo Silva Mello, a participação da comunidade em geral passou de 20% para 60% de participantes, desde 2007. A maioria de participantes são professores e alunos.

Professor de comunicação gráfica do Departamento de Comunicação Social, José Antonio de Oliveira , que trabalha na PUC há 12 anos, ainda não fez a avaliação interna deste ano, mas afirma que participa do processo desde que atua na universidade. Para Oliveira, essa avaliação traz benefícios: “O fato de fazer uma avaliação interna obriga as pessoas a pensarem nos erros e acertos da instituição, contribuindo para que ela possa acertar”.

 Stéphanie Saramago

Esta é a terceira edição deste modelo de avaliação interna, que é realizada a cada dois anos. O coordenador Silva Mello disse que nessas últimas avaliações o problema mais apontado foi em relação à infraestrutura.

“Faltam salas e isso aparece claramente”, ressaltou o coordenador.

Segundo ele, uma solução para este problema vai ser o deslocamento dos laboratórios de pesquisa, que hoje estão no prédio Cardeal Leme, para o prédio de engenharia que está sendo construído em parceria com a Petrobrás.

As alunas Renata Magalhães, do 5º período de jornalismo, e Thais Costa Motta, do 5º período de letras, concordam sobre a importância da avaliação. Para Thais, é uma forma de se relacionar com o ambiente que o estudante frequenta. ”Não basta estudar na PUC”, afirmou. Para Renata, é dessa forma que a universidade pode perceber os erros e promover uma melhora ao longo do tempo.

A avaliação interna da PUC vai até o dia 29. Para participar do processo, basta entrar no site da CCPA. Os resultados de avaliações anteriores também podem ser acompanhados pelo mesmo site.