Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 19 de junho de 2024


Cultura

"Kurosawa foi um humanista autêntico"

Luísa Sandes - Do Portal

23/03/2010

 Wikimedia Commons

A poesia do cinema de Akira Kurosawa abriu as portas do cinema japonês para o Ocidente. O diretor, que hoje (23/03) completaria cem anos, foi um dos cineastas mais importantes de seu país e do mundo. Dirigiu 32 filmes durante sua carreira, que durou 50 anos. A linguagem cinematográfica do artista aborda o sentimento humano em seus aspectos mais profundos. Foi premiado com a Palma de Ouro em Cannes e com o Leão de Ouro em Veneza, além de ter ganhado um Oscar pelo conjunto de sua obra.

Kurosawa morreu em 1998, com 88 anos. Ele é um dos diretores prediletos do professor de cinema do Departamento de Comunicação da PUC-Rio Fernando Ferreira, ex-editor de cultura de O Globo e crítico de cinema. Depois de mostrar orgulhoso livros como Relato Autobiográfico, de Kurosawa, e Os filmes de Kurosawa, de Donald Richie, o professor conversou com o Portal PUC-Rio Digital sobre a relevância do cineasta, a influência da carreira de pintor na de diretor, a adaptação de obras literárias ao cinema e a tentativa de suicídio do artista.

Portal PUC-Rio Digital: Qual a importância de Kurosawa para a cinematografia mundial?

Fernando Ferreira: A importância dele na cinematografia mundial é mais do que evidente. Ninguém tem dúvida em reconhecer o Kurosawa como um grande cineasta. É importante lembrar que em 1972, o diretor tentou suicídio. Isso ocorreu em parte porque ele não estava encontrando financiamento para seus filmes. Em parte porque estava doente. E também porque estava vendo acabar um mundo. As pessoas que ele admirava, por exemplo, Yamamoto, aquele que mais o incentivou a fazer filmes e de quem ele foi assistente, estava em fim de carreira, esquecido. O cineasta com quem ele mais se identificou, que foi o John Ford, estava com câncer e desprezado pelos produtores. Kurosawa estava em um momento de profunda depressão. Estava começando a perder lugar entre a imprensa especializada em cinema para outros cineastas japoneses, que não existiriam se ele não tivesse aberto o mundo ocidental para o cinema japonês. Kurosawa tinha uma universalidade que foi um pouco difícil para certos olhares mais perversos e rígidos aceitarem. Porém, o valor local japonês dos filmes dele é importantíssimo. Kurosawa não é absolutamente um mimetizador do ocidente, como foi dito pela crítica francesa.

P: Que características dos filmes de Kurosawa o tornam um cineasta único, diferente de todos os outros?

FF: Quando um cineasta expõe sua personalidade plenamente, ele se torna diferente dos demais. Kurosawa tinha essa característica. Ele sabia o que queria dizer e fazia isso de forma apaixonada. Chegou a dizer que queria morrer em um set de filmagem. Não lhe foi dada essa alegria, mas de qualquer forma ele viveu o set de filmagem de forma tão plena e amorosa que é impossível não reconhecer que era um homem de cinema de fio a pavio.

P: No que a obra de Kurosawa pode ser importante para o entendimento da realidade contemporânea?

FF: Tudo o que é pleno, significativo e representa uma época, vale para todas as outras. Nada faz com que um romance de Jane Austen, por exemplo, deixe de ser importante porque ela escreveu sobre uma sociedade que a gente não é mais capaz de entender. No caso de Kurosawa, ele vivenciou momentos do pós-guerra em todas as suas fases. Ele se propôs a uma atualização permanente.

 Weiler Filho 

P: O filme Sonhos tem inspiração surrealista?

FF: Tem inspiração surrealista e lances de concepção surrealista, mas não é um filme surrealista por excelência. A cabeça surrealista é muito diferente da de Kurosawa. O cineasta não partilhava de características surrealistas como agressividade, o amor louco, a revolução social. A natureza ideológica surrealista não aparece em Sonhos. Entretanto, ele sofria dessa influência, pois o surrealismo é uma escola muito poderosa que inspirou de várias maneiras, até inconscientemente, alguns cineastas. No caso dele, houve uma absorção consciente, mas ele não teve intenção de filiação ideológica com o surrealismo. O episódio do vulcão de Sonhos tem característica surrealista na medida em que o movimento namorava a ficção científica. Mas a essência do episódio é o humanismo.

P: Antes de se tornar cineasta, Kurosawa tentou ser pintor. O senhor acredita que isso influenciou a carreira cinematográfica dele?

FF: Não há nenhuma dúvida. Ele fez pinturas especialmente para o Kagemusha. Eu tenho um livro que é só sobre desenhos feitos para esse filme. Kurosawa desenhava as cenas que ia filmar. A maior parte dos cineastas americanos e europeus que tiveram uma formação acadêmica mais estruturada gostava de desenhar ou mandava alguém desenhar para eles. No caso de Kurosawa, isso era simples porque ele desenhava muito bem. Teve uma exposição muito elogiada por volta de 1923. Na ocasião, ele foi saldado como um expressionista japonês que conhecia muito bem a técnica dos expressionistas europeus. Ele era um colorista fabuloso e fez filmes admiráveis no que diz respeito à concepção da cor, como é o caso de Kagemusha Ran. Ele também soube tratar a cor de maneira mais discreta, como fez em Sonhos. Kurosawa tinha uma noção plena e severa do que podia fazer com a cor.

P: Kurosawa acreditava que Ran era a “obra de sua vida”. O senhor concorda com ele?

FF: Ran é um filme que adoro, mas não é melhor que outros extraordinários. Não acho que Ran seja um filme muito superior a Rashomon, Sete Samurais, Trono manchado de sangue ou Barba Ruiva. Viver é um dos filmes mais impressionantes que Kurosawa fez. É ótimo que ele tenha achado que Ran era o filme da vida dele. O filme foi feito quando ele tinha acabado de sair da depressão que o levou a uma tentativa de suicídio. Kurosawa pôde novamente lidar com um orçamento amplo que lhe permitia fazer um filme com aquela dimensão que foi o Ran. Novamente ele pega Shakespeare e o transforma em uma situação japonesa.

 Wikimedia commons

P: Os filmes como Os sete samurais, O trono manchado de sangue e Ran falam de temas éticos que envolvem competição, coragem, honra, amizade e família. De que maneira o senhor vê a relação de Kurosawa com esses temas?

FF: É uma recorrência permanente na obra dele. Kurosawa nunca deixou de ver essas coisas. Ele tinha uma formação ética que o levava a pensar sempre nesses termos. De um modo geral, isso não foi visto pelas apreciações críticas como o fundamental desses filmes. Mas é uma coisa que coexiste com o épico e a dramaticidade de alguns deles, com tudo que ele pretendeu focalizar do ponto de vista da dramaturgia.

PO idiota, O trono manchado de sangue e Ran são obras baseadas nos livros O idiota, de Dostoievski, e Macbeth e Rei Lear, de Shakespeare, respectivamente. Como Kurosawa aborda a relação entre literatura e cinema?

FF: Ele não via essa abordagem como alguma coisa que significasse uma submissão do teatro e do cinema a esses antecedentes. No meu ponto de vista, as melhores versões de Shakespeare no cinema são de Kurosawa. Independente de o Rei Lear ter sido feito por um especialista como é o caso do Peter Brook ou Hamlet por Laurence Olivier, eu acho que ninguém fez cinema baseado em Shakespeare de forma mais autêntica do que Kurosawa. Essas obras são muito fiéis aos livros do ponto de vista temático. Ele não se preocupou em reproduzir a essência literária dessas obras porque, na cabeça de Kurosawa, isso era o menos importante, era a linguagem específica daquele autor. A linguagem específica de Kurosawa era cinema e essa linguagem não podia estar dominada pelo antecedente que o inspirou.

P: A natureza é um tema que aparece nas obras de Kurosawa: Dersu Uzala conta a história de um velho caçador que é guia de um explorador russo em uma floresta. Sonhos fala sobre o egoísmo humano que destrói a natureza e as pessoas. Qual a sua análise da utilização da natureza como forma de crítica social nos filmes do cineasta?

FF: A questão do olhar sob a natureza humana e sob uma forma de compreendê-la como essencialmente generosa, produtiva e justa é comum a todos os filmes de Kurosawa. O diretor foi um humanista autêntico. Isso está muito evidente porque Dersu Uzala está em comunhão com a natureza, característica que perpassa Sonhos também. Porém, no restante da obra dele, não vejo esse enfoque central sob a natureza. Se ela atua de forma terrificante no Trono manchado de sangue é porque ela está ali a serviço daquela atmosfera de tragédia inexcedível que é o próprio Macbeth de Shakespeare. Se isso ocorre também em Ran é porque está muito forte no Rei Lear.Kagemusha, um filme que Shakespeare assinaria com o maior prazer, também tem a presença da natureza, mas é naquele momento final em que tudo se acabou e a guerra é capaz de destruir tudo, transformar sonhos, realidades, fantasias em alguma coisa inexoravelmente destrutiva.