Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 29 de fevereiro de 2024


País

O supertécnico da Olimpíada do Conhecimento

Bruno Alfano - Do Portal

17/03/2010

 Mauro Pimentel

Quando estreou, em 1998, no Torneio de Formação Profissional – atual Olímpiada do Conhecimento, disputada semana passada no Rio – Ademir Bassanesi não imaginava que faria história. O segundo  lugar na modalidade mecatrônica tranformou-se em cinco títulos seguidos, como treinador. A façanha rendeu prestígio e quatro participações em etapas internacionais da competição. Embora ressalte que não há "receita de bolo", o técnico acredita na importância do condicionamento psicológico para melhorar o rendimento dos ensinamentos técnicos:

– Eu passo algumas técnicas para os meus alunos, mas o ideal é que eles descubram as formas de serem competitivos. Eles são acompanhados semanalmente por uma psicóloga. Assim, se conhecem melhor em situações difíceis.

Morador de Caxias do Sul, Bassanesi (foto), ingressou no curso de mecatrônica, acompanhado do  irmão gêmeo Ademar. No fim do curso, seu irmão foi convidado a participar do torneio. Como já estagiava, indicou Ademir. A dupla Germano e Ademir treinou um ano, mas só dois meses com os equipamentos que seriam utilizados na competição. Mesmo assim, ficou em segundo lugar, atrás da  dupla paulista por apenas 1,35 ponto (numa escala de cem). Ele acredita que a falta do trabalho psicológico tenha pesado:

 Mauro Pimentel

– Não houve um treinamento psicológico para as situações de pressão. Em vez de tentar acabar com o nervosismo – o que seria praticamente impossível – o ideal é orientar os competidores para que, mesmo mexidos emocionalmente, não tenham seus desempenhos afetados.

Ademir voltou ao SENAI como professor. Conquistou cinco títulos consecutivos e a chance de participar de quatro Mundiais (World Skills), na Suíça, Finlândia, Japão e no Canadá. Desde 1997, o Brasil foi o único país a ficar entre os cinco primeiros, mas ainda não levou o ouro.

Disputada por 28 países, a competição internacional tem o mesmo formato da etapa brasileira: estações automáticas executam tarefas específicas, cuja dificuldade aumenta a cada dia. Depois de quatro dias de provas, o sistema montado simula uma linha de montagem automatizada. O vencedor é decidido pelo julgamento de critérios como funcionamento, tempo, acabamento. 

 Mauro Pimentel

– Lá a adrenalina é maior porque você está longe do seu país. O nível da competição é muito alto, pois os nossos concorrentes saem das escolas das empresas como Nissan, Samsung e Toyota. Ainda assim nós conseguimos, muitas vezes, ficar na frente – anima-se Ademir.

A qualificação dos profissionais de nível técnico mostra-se essencial para o crescimento da indústria, lembra o treinador. O chefe da equipe de mecatrônica do Rio Grande do Sul aponta a importância de iniciativas como a Olimpíada do Conhecimento:

– O principal objetivo das Olimpíadas é aproveitar na sala de aula as vivências das competições, ou seja, melhorar os nossos cursos. Os alunos que participaram comigo das últimas Olimpíadas do conhecimento já estão todos empregados.

Os competidores treinam oito horas por dia de segunda a sexta, durante oito meses. Ademir escolhe os participantes, em duas etapas: técnica e psicológica, nesta ordem. A decisão final leva em conta o perfil dos alunos.

– Se a dupla for até o Mundial, eles ficam mais ou menos dois anos convivendo juntos. É quase um casamento – brinca – Por isso, a caracteristica do trabalho em equipe é fundamental.

 Mauro Pimentel

Disputada de quinta a domingo no Rio, a sexta Olimpíada do Conhecimento reuniu 623 competidores – todos os estados brasileiros e de 11 países, como Argentina, Jamaica, Holanda e Estados Unidos – em 46 modalidades. Chamava-se Torneio de Formação Profissional até 2001, quando passou por uma reformulação na estrutura. No ano seguinte, tornou-se bienal. 

A iniciativa é apoiada por vários setores da sociedade, incluindo a PUC-Rio. A universidade participou como parceira do SENAI, por meio do Decanato do Centro Técnico Científicos. O vice-reitor Administrativo da PUC-Rio, professor Luiz Carlos Scavarda, foi um dos organizadores da competição.