Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 18 de agosto de 2022


Cultura

A elegância de Woody Allen até final do mês no CCBB

Luísa Sandes - Do Portal

09/11/2009

Neuroses e análises críticas do ser humano: Woody Allen representa um ícone peculiar, um ponto fora da curva na indústria cinematográfica americana. Seus 40 filmes, alguns memoráveis, são exibidos no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) desde o dia 3 deste mês. A mostra A elegância de Woody Allen, a maior no país com as produções do diretor, ficará em cartaz até  29 de novembro. A retrospectiva também reúne longa-metragens dedicados ao cineasta e aqueles nos quais trabalhou apenas como ator ou roteirista.

O Portal PUC-Rio Digital aproveitou a maratona de Woody Allen – que negocia filmagem no Brasil para 2011 – a fim de saber as preferências dos professores de cinema e dos alunos da Universidade. O filme mais votado foi Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall), de 1977. Contudo, para o professor de cinema José Mariani da PUC-Rio, o melhor é Memórias (Stardust Memories):

– O filme questiona o cinema de comédia, que era o tipo de filme que ele fazia. Por isso, Stardust Memories representa uma virada, um momento de reflexão na carreira do Woody Allen – justifica.

Mariani acrescenta que Woody Allen é um autor de cinema. Segundo ele, o diretor construiu uma persona que aparece em seus filmes. Esse personagem se relaciona a sua vivência, ao seu universo e a sua cidade.

Na opinião de Pedro Camargo, também professor de cinema da PUC-Rio, por se tratar de cineasta de obra bastante autoral, fica praticamente impossível e injusto destacar uma delas. Mesmo diante da dificuldade, ele consegue citar quatro filmes prediletos: Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall), Manhattan, Hanna e suas irmãs e Interiores.

A lista das preferências revela-se variada, reflexo da riqueza cinematográfica construída por Woody Allen desde 1969:

Renato Schvartz (professor de Cinema)Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall) – “O filme tem uma história envolvente, bem contada, reflete sobre a relação entre homem e mulher de forma madura, tudo isso no lindo cenário de Nova Iorque.”

Emily Lobo (estudante de Comunicação Social)Vicky, Cristina, Barcelona – “Ele é meu filme predileto pelo diálogo, por não ser uma história comum. A música, o lugar e as cenas são bonitos.”

Gabriel Cariello (estudante de Comunicação Social)Melinda e Melinda – “É simples e mostra a mesma história com diferentes perspectivas. Por ser um filme sobre criação de personagem, pode ser interessante para quem gosta de escrever.”

Silvio Tendler (professor de Cinema)Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall) – “Nesse filme, Woody Allen coloca legenda nas conversas e eu sempre fiz muito essa brincadeira. Isso mostra que enquanto pensamos em uma coisa, falamos outra.”
Scoop – O grande furo – “Mostra um jornalista tentando corromper a morte, o que, para mim, é como a síntese da vida.”

Laíne Lopes (estudante de Arquitetura)Melinda e Melinda – “Gostei do modo como ele articulou as duas visões da vida: a dramática e a cômica.”

Beatriz Carvalho (estudante de Relações Internacionais)Desconstruindo Harry – “O filme trabalha com os sentimentos do personagem, que, no fundo, acho que são do próprio Woody Allen.”

Augusto Souza (estudante de Comunicação Social)Melinda e Melinda – “Mostra um contador de histórias de narrativas diferentes de uma maneira muito diferente.”

Hernani Heffner (professor de Cinema)Broadway Danny Rose – “Gosto do clima pra cima do filme. É genuinamente alegre, algo extremamente incomum em sua obra, em que os sorrisos vêm travados pela amargura e pela fossa existencial.”

Andressa Pontes (estudante de Comunicação Social) - Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall) - “Trata o psicológico do personagem masculino de uma forma bem peculiar e interessante e mostra neuroses masculinas imperceptíveis.”

Victor Quintanilha (estudante de Comunicação Social)Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall) – “É um filme de roteiro simples, mas prende a atenção até o final e ali tem inovações técnicas e de recursos estilísticos.”

Ivan Ignácio (estudante de Comunicação Social)A rosa púrpura do Cairo – “A história da personagem é bonita, acho complexo pensar no fato de ela querer sair da própria vida para viver em um mundo ideal.”

Pedro Camargo (professor de Cinema)Noivo neurótico, noiva nervosa (Annie Hall), Manhattan, Hanna e suas irmãs e Interiores – “Woody Allen é um cineasta do qual aprecio toda a obra. Fica difícil particularizar um ou outro filme, já que cada um tem razões indefiníveis que justificam essa preferência. No caso de Annie Hall, posso até suspeitar que meu próprio momento ao ver o filme tenha contribuído para isso. Acontece demais esse fenômeno de rever um filme dez ou vinte anos depois e, para nossa surpresa, ele ser bem diferente do que pensávamos. O mesmo talvez se dê com Manhattan, Hanna e suas irmãs e Interiores.


Mostra A elegância de Woody Allen

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB): Rua Primeiro de Março, 66, Centro.
3 a 29 de novembro.
Terça a domingo, das 10h às 21h.
Ingressos: R$ 6 (inteira), R$ 3 (meia entrada para estudantes, professores, funcionários e correntistas do Banco do Brasil e maiores de 60 anos)
Obs: As exibições em DVD têm entrada gratuita
Telefone: (21) 3808-2007