Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 20 de maio de 2024


Cultura

Golpe de 64 em debates e exposição no CCBB

Isabella Rocha e Mariana Totino - Do Portal

22/03/2014

No ano que o Brasil vai lembrar por diferentes meios e abordagens os 50 anos do golpe que instaurou o regime ditatorial no país, a exposição Resistir É Preciso, idealizada pelo Instituto Vladimir Herzog – que também organiza prêmio para jovens jornalistas com o tema "As heranças do Golpe de 64"–, escolhe o ponto de vista da imprensa e de seus núcleos de resistência à censura – os jornais alternativos. A mostra, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil no Rio de Janeiro, até 28 de abril, apresenta uma linha do tempo dividida em duas partes (de 1960 a 1975 e de 1976 a 1985), com principais acontecimentos históricos da época como se fossem “manchetes recortadas” de um jornal ou de um almanaque. O espaço cultural também abriga, desta quarta-feira, 19, até o dia 31 de março, um ciclo de palestras da 10ª Quinzena Golpe de 1964, organizado pela Livraria da Travessa. A quinze dias do cinquetenário do episódio mais obscuro do passado histórico do país, o Rio conta com programação cultural para refletir sobre o tema.

No primeiro dia de palestras, que teve as senhas esgotadas uma hora antes, e contou com público de todas as idades, os convidados foram Ivo Herzog, filho de Vladimir Herzog (jornalista símbolo da luta contra a repressão, que foi vítima e protagonizou uma das imagens mais conhecidas da tortura no país), e o escritor Zuenir Ventura. A socióloga e professora da PUC-Rio Maria Celina D’Araújo participará de As universidades e o regime militar, na quinta-feira, 27, ao lado do historiador Rodrigo Patto Sá Motta, que lançou neste mês um livro sobre o tema, pela Editora Zahar. Os jornalistas Arthur Dapieve, professor do Departamento de Comunicação Social da PUC, e Ana Maria Bahiana, autora de Almanaque 1964 (Cia das Letras), dividirão a mesa na sexta-feira, 28, para falar sobre Arte e Pop em 1964. Wladimir Palmeira e o historiador Daniel Aarão Reis, especialista em esquerdas e ditadura, encerram o ciclo de palestras na segunda-feira, 31 (a programação completa está no quadro abaixo).

A exposição Resistir É Preciso completa os debates oferecendo materiais para a reflexão sobre este contexto histórico. A mostra, que estava em cartaz em Brasília de agosto a setembro de 2013, foi para São Paulo e, depois do Rio, irá para Belo Horizonte, inspirou um documentário feito pelo jornalista Ricardo Carvalho, lançado em 2013, reunindo depoimentos de quem atuou na imprensa de resistência no período ditatorial. O acervo apresenta fragmentos da história do Brasil sobre a imprensa na ditadura militar, a partir de publicações e de depoimentos de pessoas que resistiram através da palavra impressa (veja a galeria de fotos).

Além de painéis com os acontecimentos históricos, o acervo da mostra conta com fotos da mobilização popular e que retratam a censura imposta aos meios de comunicação. Com a grande imprensa censurada, jornais e revistas obrigados a fechar as portas, tiveram início os jornais clandestinos. Mesmo com a liberdade de expressão cerceada, veículos de comunicação e a arte buscaram uma saída. Em uma das salas, a parede é tomada por capas de jornais alternativos. Também são exibidas entrevistas com jornalistas e políticos que passaram pela opressão, além de um vídeo com  o nome das vítimas e desaparecidos da ditadura. Uma das frases em destaque na exposição é de Vlado Herzog: "Quando perdemos a capacidade de nos indignarmos com as atrocidades praticadas contra outros, perdemos também o direito de nos considerarmos seres humanos civilizados".

Programação da quinzena do Golpe de 1964 no CCBB

Palestras:

Às 18h30 (chegar com uma hora de antecedência para pegar senha):

24/03 - MPB e a Ditadura, com Jorge Mautner e Jards Macalé.

26/03 - Futebol e Ditadura: que jogada foi essa?, com Afonsinho e João Máximo

27/03 - As universidade e o regime militar, com Rodrigo Patto Sá Motta e Maria Celina D'Araújo.

28/03 - Arte e Pop em 1964, com Ana Maria Bahiana e Arthur Dapieve.

29/03 - O governo Jango e o golpe de 64, com Jorge Ferreira e Carlos Chagas.

31/03 - Por que a esquerda faltou ao combate no dia 31?, com Wladimir Palmeira e Daniel Aarão Reis.

Exposição Resistir É Preciso:

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. De 12 de fevereiro a 28 de abril de 2014. De quarta a segunda, das 9h às 21h.