Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 17 de junho de 2024


Cultura

Cineasta ex-aluna da PUC homenageia circo em livro

Patrícia Côrtes - Do Portal

22/08/2012

 Ligia Lopes

Letícia Pires define Clarice como uma menina que sonha estar em um lugar diferente de onde está. A personagem nasceu num momento em que a escritora também queria estar em outro lugar, em 2007, quando parte do túnel Rebouças desmoronou. Letícia enfrentou um engarrafamento de cinco horas. Para passar o tempo, começou a fazer um trabalho de Roteiro, pedido pelo roteirista José Carvalho, seu professor no curso de cinema da PUC-Rio, onde se formou.

Clarice é a protagonista do livro infantil Clarice vê estrelas, lançado neste domingo, 19, na Livraria Travessa, no Leblon, pela editora Escrita Fina em parceria com a Cátedra Unesco de Leitura.

Depois de brigar com a mãe, a personagem principal da trama vai ajudar o pai a limpar o porão de casa, onde encontra um velho livro que a leva para um mundo circense. O lugar está esquecido e, para voltar para casa, a menina deve revitalizá-lo.

 Divulgação Sem recursos para transformar o roteiro em filme, por causa das diversas locações necessárias,  a autora o inscreveu no concurso Novos Autores Fluminenses, da Secretaria de Cultura do Rio. Letícia e Clarice ficaram entre os 12 projetos selecionados para receber subsídios e chegar às livrarias. Foi o único projeto de pessoa física, assim como o único projeto infantil aprovado.

As ilustrações são de Kammal João, aluno de Design da PUC. Apesar da coincidência, os dois se conheceram longe dos pilotis:

– Estava na Feira da Providência e vi exposta uma ilustração linda de um menino que olhava as estrelas. Quis conhecer quem tinha feito, era o Kammal. E ele adorou Clarice. A partir daí a história é contada ora pelo texto, ora pelas imagens – lembra Letícia.

O papel do ilustrador foi além dos traços. Foi ele quem mostrou o projeto ao professor Luiz Antonio Coelho, diretor da Cátedra Unesco de Leitura da PUC-Rio. Coelho deu ao manuscrito a chancela da Cátedra e apresentou a dupla à editora Escrita Fina.

– No início a ideia era vender o livro de porta em porta, sem editora. Mas a Escrita Fina manteve minha liberdade no texto e me ajudou em toda a parte burocrática.

É Kammal, agora, quem pretende lançar um livro com seus desenhos, inspirados em suas viagens pelo Brasil.