Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Eletivas de comunicação estreiam neste semestre

Monique Rangel - Do Portal

02/08/2012

 Reprodução

Trinta e três eletivas de comunicação podem ser escolhidas pelos alunos. Sete delas têm estreia marcada para o próximo semestre: Gestão em Jornalismo, Cinema e os Anos de Chumbo, Jornalismo Cultural, Cinema e Política, Jornalismo Investigativo, Produção Vídeo Comunitário e Laboratório de Jornalismo Digital. Os estudantes puderam optar no Sistema Acadêmico, o PUC Online, por novidades como as disciplinas lecionadas pelos jornalistas Mariza Tavares, diretora executiva da CBN, e Arthur Dapieve, colunista de O Globo, pelo cineasta Sílvio Tendler e pelo supervisor da Editora PUC, Fernando Sá (ouça a reportagem de rádio).

Na eletiva Gestão em Jornalismo, as técnicas do ofício, associadas, por exemplo, a pauta e apuração de reportagens, estarão aliadas a situações típicas do ambiente empresarial. A executiva da CBN vai abordar nas aulas  “o que está nos manuais mas se aprende no dia a dia”: a gestão de pessoas. A disciplina vale dois créditos e será dada às segundas-feiras para duas turmas – a 2IA, com aulas das 7h às 9h, e a 2IB, das 9h às 11h.

– Cada aula vai tratar um tema relacionado à administração de uma redação, como negociação, avaliação de desempenho, planejamento de sucessão. A gente vai trabalhar com textos e casos reais – adianta Mariza, que acumula 20 anos de experiência em cargos de chefia em publicações como a revista Veja e o jornal O Globo.

 Isabela SuedTambém figurinha carimbada da redação d'O Globo, Arthur Dapieve está animado com a nova eletiva que lecionará na PUC-Rio: Jornalismo Cultural. Professor da universidade desde os anos 1980, Dapieve identificou, em sala, a necessidade de uma disciplina que prepare os estudantes para o “novo jornalismo”, com o foco na leitura:

– A ideia é fazer com que os alunos leiam os craques do jornalismo. É muito frustrante descobrir que, no 7º período, eles nunca leram autores como Gay Talese – constata o jornalista.

Ele recorre ao mundo da bola para justificar a importância, para a qualificação profissional, do cultivo de boas referências: se “quem quer jogar futebol quer ver o Messi”, o mesmo vale para os bons no jornalismo.

 Ligia Lopes “Ver os bons” também é o que podem esperar aqueles que escolherem a disciplina novata Cinema e os Anos de Chumbo, que será dada por Silvio Tendler às segundas, das 13h às 17h, para a turma 2IA. Em 15 aulas, serão exibidos 15 filmes que “fizeram a cabeça das pessoas”. Já estão selecionados para entrar em cartaz nas aulas de Tendler, por exemplo, Pra frente Brasil (Roberto Farias, 1982) e O Evangelho Segundo Teotônio (Vladimir Carvalho, 1984).

– Quem fizer esta matéria poderá esperar uma formação muito forte em história, cinema e política. Vamos abordar temas que vão desde a Segunda Guerra Mundial até a Comissão da Verdade – detalhaTendler.