Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Aos 93 anos, morre Padre Laércio Dias de Moura

Caio Fiusa e Jorge Neto - Do Portal

19/04/2012

Padre Laércio Dias de Moura, reitor da PUC de 1962 a 1970 e de 1982 a 1995, morreu nesta quarta-feira, dia 18, aos 93 anos, na Casa de Saúde da Companhia de Jesus, em Belo Horizonte.

Padre Laércio formou-se em Direito pela USP em 1940, tendo concluído o doutorado pela Universidade de Paris em 1958. Formou-se em Filosofia pela Faculdade Jesuítica de Nova Friburgo em 1950. Foi secretário-geral e vice-reitor da PUC-Rio entre os anos de 1959-1962, quando assumiu a Reitoria. Em sua primeira gestão, que duraria até 1970, adequou os estatutos da universidade à nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Deu início ao processo de Reforma Universitária da PUC, originando o agrupamento dos departamentos em centros, a criação das Vice-Reitorias e da Diretoria de Admissão e Registro (DAR). Além disso, foram criados os primeiros cursos de pós-graduação e o Rio DataCentro (RDC). Durante o período ainda foram inauguradas as alas Kennedy, com o busto do presidente John Kennedy, e Cardeal Frings do Edifício da Amizade. O Instituto de Aperfeiçoamento Médico tornou-se Escola Médica de Pós-Graduação.

Em sua segunda gestão (1982-1995) foram criadas a Fundação Padre Leonel Franca, o Projeto Comunicar, sob a coordenação do Departamento de Comunicação Social, e o Doutorado em Física. Somam-se a essas criações o Núcleo de Estudos e Ação sobre o Menor (Neam), o Núcleo de Orientação e Acompanhamento Psicológico (Noap) e o Centro Loyola de Fé e Cultura. Convênios com a Petrobras e o Instituto Camões possibilitaram a criação do TecGraf e da Cátedra Padre Antônio Vieira de Estudos Portugueses, respectivamente. Sob sua gestão, a PUC-Rio foi pioneira no curso de pós-graduação em Informática e de Mestrado em Design.

Padre Laércio foi ainda presidente da Associação Brasileira de Escolas Superiores Católicas, cargo exercido em 1962 e 1964; membro do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras entre 1985 e 1991; do Conselho Executivo da União das Universidades da América Latina; do Conselho Estadual de Educação do Estado do Rio de Janeiro, entre 1988 e 1991; do Conselho Federal de Educação, entre 1992 e 1994; do Conselho Diretor do Plano Estratégico do Rio de Janeiro, de 1992 a 1995; e secretário executivo do Conselho Nacional de Instituições Católicas.

Ao comunicar a perda à comunidade PUC, o reitor em exercício da PUC-Rio, padre Francisco Ivern, lembrou que padre Laércio completaria 94 anos na próxima segunda-feira, dia 23 de abril. "Muito culto, sério, educado, tranquilo e fiel à missão que lhe era dada, tano quanto reitor, quanto conselheiro geral dos Jesuítas, em Roma", escreveu. 

O presidente da Fundação Padre Leonel Franca e da mantenedora da PUC-Rio, padre Pedro Magalhães Guimarães Ferreira, professor emérito da universidade, lamentou a perda do amigo, que conheceu em 1968. Padre Pedro era aluno de Direito na primeira gestão de padre Laércio à frente da Reitoria:

– Era uma figura exepcional, de uma inteligência fina, bondoso e humano. Deixou muitos fãs na PUC. Sua primeira gestão na Reitoria foi brilhante. Na segunda administração, enfrentou crise financeira e política.

Era um homem doce e elegante no trato com as pessoas e extremamente culto. Grande Reitor!

Assessor jurídico da Reitoria, o professor Gustavo Sénéchal de Goffredo também compartilhou seu pesar lembrando suas qualidades. "Costumava brincar dizendo que ele era portador de três grandes virtudes: era mineiro, advogado e jesuíta. Ele retrucava dizendo que isso era quase a divina trindade. Fiquei muito triste com o falecimento do padre Laércio, com quem tive o prazer de conviver. Tinha por ele uma grande estima e admiração. Era doutor em Direito Internacional Público, e teve como orientador o francês Charles Rousseau. Sua tese abordava a possibilidade/necessidade de um tribunal de direitos humanos, que somente viria a se concretizar muitos anos depois. Também foi um dos poucos brasileiros que apresentou tese após o tradicional curso na Academia de Direito Internacional de Haya. Sua vida e sua obra garantem a glória na vida eterna."