Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 17 de junho de 2024


Cultura

Amigos e fãs fazem adeus emocionado a Chico Anysio

Caio Fiusa e Jorge Neto - Do Portal

26/03/2012

 Jorge Neto

Centenas de fãs se juntaram à família e amigos numa última homenagem ao humorista Chico Anysio no sábado, dia 24 de março, no Theatro Municipal, na Cinelândia. A fila para a despedida descia a escadaria do Municipal e se estendia pela lateral do teatro na Avenida Rio Branco. Do lado de fora, admiradores lembravam bons momentos, batiam palmas e expressavam seu agradecimento em cartazes com mensagens e fotos. Do lado de dentro, no salão, sob silêncio absoluto, a consternação contrastava com a imagem do humorista. O próprio Chico, numa expressão serena, ostentava um pequeno sorriso no rosto, como o de quem ri satisfeito de ter cumprido seu dever. O comediante morreu aos 80 anos, após 65 anos entretendo o público brasileiro com personagens memoráveis no rádio e na televisão. Jorge Neto

– Ele está no céu dirigindo uma grande escolinha – afimou a atriz Berta Loran, que trabalhou com ele na Escolinha do Professor Raimundo, fazendo referência a um dos personagens mais famosos do amigo e ao programa mais emblemático de sua carreira.

Outro ex-aluno do mestre, o comediante Paulo Silvino lamentou a perda daquele que definiu como o maior humorista de todos os tempos.

 Jorge Neto

 

– O que ele fez ninguém mais fará. Deixa uma saudade muito grande – disse Silvino, que junto com Chico reviveu a Escolinha do professor Raimundo como um quadro do programa Zorra total.

O compositor Orlandivo, de 75 anos, lembrou que a genialidade de Chico não estava apenas em criar e interpretar personagens, mas também em fazer música, como a parceria dos dois com Arnauld Rodrigues em Vou bater pra tu, clássico do grupo Baiano e Novos Caetanos, dupla formada por Chico e Arnauld parodiando os Novos Baianos.

 Jorge Neto

– Chico era um excelente letrista, fazia na hora – contou Orlandivo, que chegou a acompanhar o amigo na televisão, fazendo pequenos papéis, paralelamente à carreira musical. – Acho que o Chico é o professor de todos. Todos que aparecem depois têm algo dele como inspiração. Ele era um criador. Tem personagens tão diferentes que você acha que não é a mesma pessoa. Cada um tinha o seu jeito.

O ator Carlos Machado, 46 anos, que viveu o personagem Ferdinand na novela Fina estampa, também foi se despedir do comediante, que lhe deu a primeira oportunidade profissional, em 1995, no programa Chico total. Ele agradeceu as lições dadas pelo veterano: Jorge Neto

– Um gênio, um mestre. Um cara que me ensinou muita coisa. Uma perda irreparável.

Cearense de Fortaleza, o montador Maurício Soares, 59 anos, saiu de Duque de Caxias, onde mora hoje, para se despedir de um dos protagonistas das histórias de seu pai, conterrâneo e parente distante de Chico, nascido em Maranguape:

 Jorge Neto

 

– Senti o desejo de homenageá-lo. Mesmo com essa fila grande, eu vou esperar. É uma vida que se foi e agora passou pra outra. O meu pai sempre falava que conhecia ele, tinha muito orgulho disso.

Chico Anysio estava internado havia 112 dias, e foi vítima de uma infecção pulmonar. Seu corpo foi cremado no domingo, no Cemitério do Caju, em cerimônia restrita à família e alguns amigos. Sua viúva, Malga Di Paula, anunciou a criação do Instituto Chico Anysio, para combater o fumo e pesquisar tratamentos para doenças broncopulmonares.