Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

Alunos são recebidos com palestras sobre oportunidades

- Do Portal

27/02/2012

 Jefferson Barcellos

A recepção aos calouros do Centro Técnico-Científico (CTC), na manhã desta segunda-feira (27), abriu o ano letivo da universidade. Reunidos no ginásio, cerca de 550 novos alunos de arquitetura e urbanismo, ciência da computação, engenharias, física, química, matemática e sistema de informação ouviram do reitor, padre Josafá Carlos de Siqueira, incentivos ao mergulho na vida acadêmica. "Vamos ampliar as pesquisas científicas, inclusive as referentes à sustentabilidade", adiantou ele, lembrando que a PUC vai acolher em junho, uma semana antes da Rio+20, conferência internacional sobre meio ambiente com, aproximadamente, 500 cientistas. "Temos ainda o desafio de nos adaptarmos à estação de metrô, o que tende a favorecer o acesso ao campos", acrescentou.

O Meu Primeiro Dia na PUC, tradicional circuito de boas-vindas, desdobrou-se em apresentações sobre as principais características e novidades de cada curso e do campus (veja o mapa). Neste ano, a iniciativa inclui palestras sobre oportunidades como bolsas de estudo e dupla diplomação. "Achamos importante o aluno saber logo como poderá se desenvolver melhor, desde bolsas de iniciação científica até incubação de empresa, por exemplo. O objetivo é tornar estas orientações mais práticas", explica a coordenadora administrativa do CTC, Carmen Fagundes. Para o professor Gláucio Siqueira, coordenador do ciclo básico do CTC, o princípio da multidisciplinaridade favorece o avanço de diversos projetos acadêmicos:

– O importante é dar o suporte para atender às necessidades específicas dos alunos, como fazem as monitorias e a incubadora de empresas, por exemplo – destacou aos estudantes reunidos no ginásio.

Alguns alunos estavam com os pais, como Carlos Ribeiro, 18 anos, calouro de engenharia. O pai dele, o agropecuarista Carlos Ribeiro Neto, veio da Bahia, onde mora, para acompanhar o primeiro dia do filho na universidade.

– Queríamos uma instituição do eixo Rio-São Paulo. Escolhemos a PUC-Rio porque é uma forte referência em Engenharia – justifica Ribeiro Neto – Fora esse lado mais técnico, gostei muito do clima da universidade.

O espírito de comunidade também influenciou o analista de sistemas Elias Magalhães a cursar a segunda faculdade: engenharia civil. Calouro aos 30 anos, ele lia, no entanto, que a "excelência e a ética dos profissionais formados na PUC" foram decisivos para a sua escolha.

– Gostei muito da palestra (do professor Gláucio), porque abriu espaço para oportunidades. Como sou um pouco mais velho, já tenho uma visão mais precisa do que é importante para o mercado. Queria ter podido ouvir essas orientações aos 18 anos, quando entrei na primeira faculdade – diz Elias.

Segundo padre Josafá, "a determinação e o coração aberto ao novo" são essenciais para vencer os primeiros desafios e engrenar na vida acadêmica. "Também é preciso ter espírito de fé para enfrentar o cotidiano da universidade", completou o reitor.

A "abertura ao novo" recebeu, hoje de manhã, a contribuição dos veteranos. Eles guiaram, na companhia de professores, os novos alunos por laboratórios e instalações como a biblioteca e o bandejão.

Os calouros viram, por exemplo, a oficina Projeto Estudantil, na qual são desenvolvidos trabalhos de robótica. Lá são preparadas peças de objetos que disputam competições como Riobotz, que reúne protótipos de robôs, e Aerodesign, com aviões e helicópteros automatizados. A partir do segundo semestre, os novos alunos poderão se incorporar às equipes do laboratório. Para Mauro Speranza, coordenador do ciclo básico de Engenheria e professor de Controle e Automação, o espaço simboliza o esforço de se conjugar teoria e prática:    

– É feito para o aluno, com o aluno. Nós [professores] orientamos e supervisionamos, mas é o aluno que mexe nas máquinas e produz as peças. 

 Jefferson Barcellos Ao meio-dia, missa celebrada pelo padre Luis Corrêa, também professor de Teologia da universidade, lotou a Igreja do Sagrado Coração de Jesus. Às cerca de 450 pessoas, entre estudantes, pais e professores, padre Corrêa realçou a importância de se "estar bem acolhido nesta fase de transformação e crescimento humano". Observou que o "humanismo cristão" reforça o ambiente favorável à formação:

– A universidade é o lugar do encontro dos saberes, da pluralidade ideológica, do ensino e da pesquisa. O humanismo cristão também compõe o ambiente universitário, colaborando para melhorar a convivência e a formação acadêmica.

Centro de Teologia e Ciências Humanas recebeu alunos à tarde

À tarde, a Vice-Reitoria Comunitária e a Coordenação Central de Graduação da universidade deram as boas-vindas aos alunos de artes cênicas, design, filosofia, letras, pedagogia, psicologia e teologia, cursos ligados ao Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH). O vice-reitor comunitário, Augusto Sampaio, afirmou considerar o primeiro dia dos calouros na PUC um momento importante, pela possibilidade de troca de informações e pelo contato da coordenação com os alunos.

– É muito importante ter esse primeiro contato. Nós, que administramos assuntos dentro da universidade, estamos formulando votos de uma boa vida acadêmica para esses alunos. Para isso, queremos esclarecer dúvidas e informá-los dos principais pontos nesse início de universidade. É bom fazermos isso agora, porque daqui a 15 dias eles estarão interessados em outras coisas mais aqui dentro – brincou Augusto.

 Jorge Neto Calouro do curso de design, Bruno Cieri, de 17 anos, chegou ao Rio neste domingo (26) para iniciar a faculdade. Bruno é de Rio Claro, no interior de São Paulo, e não conhece ninguém na cidade. Escolheu a PUC-Rio pela vontade de morar no Rio e pelas boas referências sobre a universidade.

– Sempre tive vontade de morar no Rio. Quando escolhi fazer design, comecei a pesquisar na internet as universidades cariocas e vi que a PUC tem um ótimo curso na área que eu quero. Vou morar numa pensão no Leblon. Estou animado com tudo e espero que a PUC seja um bom lugar para eu estudar – anseia Bruno.

Rio+20 e 60 anos do curso de Comunicação Social em pauta

Por volta das 14h30, foi a vez de os novos alunos de Comunicação Social serem recebidos no ginásio. A coordenadora setorial de Graduação, Andréia Clapp, ensinou os “primeiros passos” da vida acadêmica aos novos filhos da PUC:

– É preciso prestar atenção ao Coeficiente de Rendimento, às faltas, às regras acadêmicas. Vocês devem aproveitar as oportunidades que a PUC oferece.

Jorge Neto  O coordenador de Graduação de Comunicação Social, Leonel Aguiar, destacou duas novidades para este ano: os 60 anos de existência do curso, no segundo semestre; e a prévia da Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que ocorrerá em junho.

Estudante de história na Unirio, José Leonardo Alvarenga, de 22 anos, resolveu entrar também para o curso de comunicação social da PUC:

– Faço história por hobby, mas sempre quis fazer publicidade. Já conhecia a PUC, e o clima aqui é ótimo. Já curti demais na outra faculdade, agora estou aqui para estudar mesmo.

A estudante do quarto período de Publicidade Marina Ferretti, representante do Centro Acadêmico de Comunicação Social, contou que o Cucas, chapa recém-eleita, começou a integração com os novos alunos ainda nas férias, organizando encontros pelas redes sociais, e antecipou que pretende organizar palestras. A da jornalista e apresentadora Glenda Kozlowski já está confirmada:

– O Cucas quer deixar tudo organizado. Fizemos encontros antes das aulas e começamos a nos conhecer. Temos já tudo planejado: palestras, chopada e outros eventos.

A caloura Beatriz Reis, de 18 anos, ex-aluna do colégio Garriga, na Freguesia, esteve nas reuniões ocorridas durante as férias. A jovem gostou da palestra, achou todos muito receptivos.

– Claro que vou curtir, mas vim aqui para aprender.

  Jorge NetoO encontro foi fechado pelos representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) e do Centro Acadêmico (CA), que, com bom humor, deram as boas-vindas aos calouros e mostraram-se solícitos para tirar qualquer dúvida.

– Se precisarem esquentar comida, tem micro-ondas; para descansar, videogame – brincou Victor Oliveira, do CA.

Depois da recepçao no Ginásio, os calouros foram levados a conhecer as instalações do departamento e também da casa do CA na Vila dos Diretórios.

Participaram da cobertura Amanda Reis, Caroline Hülle, Isabela Castro, Jorge Neto, Ligia Lopes, Sofia Miranda, Tiago Coelho.