Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2024


Campus

PUC-Rio e Boston College debatem 11 de Setembro

Mariana Alvim - Do Portal

22/09/2011

A tecnologia que permitiu ao mundo assistir à queda da Torre Sul do World Trade Center ao vivo foi também facilitadora da comunicação entre professores da PUC-Rio e do Boston College, nos Estados Unidos. Na última quarta, 21 de setembro, foi realizada uma videoconferência entre professores das duas universidades. A intenção do encontro era discutir os impactos do 11 de Setembro no mundo contemporâneo.

Os palestrantes da universidade brasileira foram Monica Herz, vice-decana de Pós-Graduação no Centro de Ciências Sociais (CCS) e professora do Instituto de Relações Internacionais (IRI); e Paulo Fernando Carneiro de Andrade, decano do Centro de Teologia e Ciências Humanas (CTCH), com mediação do padre Paul Schwheitzer. Já do lado dos Estados Unidos, falaram os professores de Ciência Política Peter Skerry e Jonathan Lawrence, mediados pelo padre Frank Kennedy.

A teleconferência foi proposta pela Cátedra Carlo Maria Martini, vinculada ao CTCH. A Cátedra tem uma parceria com o Boston College que já rendeu outras teleconferências, como a que abordou o tema Mulheres na Igreja. O Boston College é uma instituição jesuíta e recentemente foi classificada como a 31ª melhor universidade dos EUA pela U.S. News & World Report.

Cada professor falou por aproximadamente 20 minutos. Posteriormente, foi aberto o tempo para perguntas do público. Jonathan Lawrence iniciou o debate falando da relação do Ocidente com o islamismo, sobretudo na relação daqueles com os imigrantes muçulmanos. Peter Scarey também focou na imigração islâmica como tema, mais especificamente na relação entre americanos e imigrantes árabes nos Estados Unidos.

A professora Mônica Herz, que estava em Washington no dia em que o Pentágono também foi atacado, chamou a atenção para o fato de que as políticas antiterroristas são institucionalizadas por Estados e organismos internacionais, como a ONU. A crítica de Mônica é que crimes de indivíduos isolados sejam tratados como crimes de guerra. Já Paulo Fernando Carneiro de Andrade chamou a atenção para o risco de intensificação do fundamentalismo e um consequente choque de civilizações.

Na plateia estavam alunos de graduação de relações internacionais e de engenharia, entre outros, além de professores. A teleconferência foi realizada na sede da Coordenação Central de Educação à Distância (CCEAD), no Edifício Padre Leonel Franca.