Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 17 de junho de 2024


Cultura

Recife, capital do cinema

Robson Santos - Do Portal

04/04/2008

 Thiago Castanho

Recife tornou-se um dos principais incentivadores e divulgadores da sétima arte nacional. Há mais de uma década, acontece na capital pernambucana o Festival do Audiovisual Cine PE. Em sua 12ª edição, a jornada cultural acontece de 28 de abril a 03 de maio, nas dependências do Centro de Convenções de Pernambuco. Além das exibições de filmes e vídeos, oriundos de vários estados do país, atividades, como debates e oficinas, serão destinadas ao público. O idealizador do projeto, Alfredo Bertini, 46 anos, acredita que festivais como o Cine PE são uma oportunidade de congregação.

 – Para muita gente, festival de cinema é exibição de filme, pura e simplesmente. Mais do que isso, é a oportunidade de intercambiar idéias e pensamentos, de debater nos seminários, de formar ou de aperfeiçoar nas oficinas, de popularizar nas exibições que são feitas abertamente – explica.

Formado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco e com uma longa carreira na área como professor universitário, o diretor do evento, desde cedo, já se interessava em estudar, economicamente, a cadeia produtiva e o papel relevante de setores que compõem a indústria do entretenimento, como o turismo e o esporte.

– Na cabeça de muita gente o lazer parece que, para ser produzido, não gera riqueza. Quem está ali proporcionando lazer para quem o consome, na verdade, está desenvolvendo um trabalho, está mobilizando recursos, mão-de-obra e capital – diz Bertini, que exerceu o cargo de secretário-adjunto da Indústria e Comércio do Estado de Pernambuco, entre 1994 e 1995.

 Já no ano seguinte, resolveu voltar suas atenções para o agito cultural e criou uma produtora de eventos. De acordo com o empresário, ao se deparar com colegas do setor da indústria e comércio, procurava mostrar a eles que, um dia, as Federações das Indústrias teriam que receber os responsáveis pela “indústria sem fumaça” no país. E aquilo que era visto com certa descrença, se tornou uma realidade.

– Hoje você tem, dentro das Federações das Indústrias, por exemplo, o Sindicato das Indústrias Cinematográficas, como em São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Santa Catarina e outros estados. Isso é uma comprovação cabal de que o mundo hoje é guiado pela economia criativa – ressalta o diretor do Cine PE.

Outro cargo público a ser exercido por Bertini foi o de secretário municipal de Turismo e Esportes do Recife, em 2004 e 2005. No dia 29 de abril, lançará, durante o evento, o livro “O dinamismo econômico da indústria do entretenimento: uma análise pela óptica da economia do audiovisual no Brasil”. O autor procura mostrar em sua mais recente obra, editada pela Saraiva, que o pólo dinâmico da economia mundial está diretamente ligado às atividades de lazer.

– O grande negócio hoje da economia americana, por exemplo, é o entretenimento. Se usarmos a cultura como elemento básico e dentro dessa cultura o próprio papel do chamado cinema comercial hollywoodiano, veremos que ele é um setor que representa muito mais, do ponto de vista econômico, que a indústria tradicional e bélica. Mas ao mesmo tempo, temos que preservar nossa identidade e garantir certas resistências a esse modelo – diz.

Após o festival, Bertini lançará seu livro nas principais capitais do país.