Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de agosto de 2017


Saúde

Pesquisadores estrangeiros reforçam curso de saúde

Andressa Pessanha - aplicativo - Do Portal

08/04/2015

 Alunos do ESSA

Num estado cujo avanço populacional e a estruturação urbana caminham em ritmos distintos, saúde e saneamento ambiental tornam-se preocupações constantes. De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), 30% dos 16,5 milhões habitantes do Rio ainda carecem de tratamento de esgoto formal e, portanto, estão mais vulneráveis a doenças. Para esclarecer moradores dessas áreas sobre aspectos associados ao problema renitente, o Serviço Social do Comércio do Rio de Janeiro (Sesc-Rio) e PUC-Rio inauguram a segunda turma do ano do Curso de Educação em Saúde e Saneamento Ambiental (Essa). Segundo Flávio Wittlin, coordenador do Essa, as participações dos educadores de saúde do Sesc e do professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) Jailson de Souza e Silva, também ativista do Observatório de Favelas, são as novidades: 

– Além dos educadores de saúde do Sesc, que não participaram da composição anterior, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) também participam com profissionais da área – completa Wittlin.

O curso foi aberto na quarta-feira passada, com o tema Determinantes Sociais e Cooperação Internacional em Saúde, apresentado pelo pesquisador do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fiocruz Luiz Fernando Fonseca.  Vinculada ao Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), e administrado pela Coordenação Central de Extensão (CCE) da PUC-Rio, a iniciativa é voltada para moradores do Complexo do Alemão, Zona Norte do Rio, e para alunos e ex-alunos da universidade. 

As aulas teóricas são realizadas às quartas no Sesc Ramos e o trabalho de campo, na comunidade. Por meio das Tecnologias de Comunicação Comunitárias (TCC), os alunos desenvolvem vídeos e photovoice (galeria de fotos digitais com comentários narrados de viva-voz) que reúnem sugestões para melhorar as condições locais de vida. De modo simultâneo, o curso conjuga conceitos de História, de saúde e de saneamento ambiental com as práticas de TCC e oficinas no Alemão. Com duas opções de turno (manhã e tarde), as aulas se estendem até 19 de agosto.

O corpo docente desta nova turma reforça o caráter multidisciplinar. Dele fazem parte, por exemplo, médicos, cientistas sociais, antropólogos, pedagogos, dentistas, psicólogos e jornalistas. Também participam professores da PUC-Rio, da Universidade de Oxford (Reino Unido), Universidade de Oklahoma, Califórnia BerkeleyGerogetow (Estados Unidos), UFF, Uerj e da Fiocruz.

– O professor da Universidade California-Berkeley é doutorando com trabalho de campo no Preventório em Niterói. Ele é especialista em ferramentas de epidemiologia para melhorar saúde na comunidade – destaca Wittlin.

A abordagem participativa, tanto nos temas relacionados a saneamento e saúde quanto no manejo das TCC, é o fio condutor do processo de trabalho. A primeira edição, em 2011, na Rocinha, Zona Sul carioca, recebeu do Ministério da Saúde o Prêmio Victor Valla de Educação em Saúde.