Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 20 de outubro de 2017


Saúde

"Vacina não deixa gripado", esclarece especialista

Vítor Afonso - Do Portal

17/04/2013

 Arte: Nicolau Galvão

Começa hoje a campanha nacional de vacinação contra a gripe. O Ministério da Saúde pretende atender, até 26 de abril, 32 milhões de brasileiros – 80% do público total – que representam os grupos de maior risco: idosos, crianças de seis meses a 2 anos, gestantes, indígenas e profissionais da área de saúde. Eles têm acesso gratuito à medicação em 65 mil postos de saúde. Neste ano, a campanha atende também presidiários e mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias. Serão distribuídas 43 milhões de doses da vacina, que protege contra os três subtipos do vírus da gripe mais observados no inverno passado: A/H1N1 (gripe suína), A/H3N2 e Influenza B. Em conversa com o Portal PUC-Rio, o pneumologista Carlos Alberto de Barros Franco, professor da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC-Rio, avaliou a importância de iniciativas do gênero e esclacereu aspectos como a diferença entre gripe e resfriado e o mito de que a vacina provoca gripe.

Portal PUC-Rio digital: O que causa a gripe e qual a importância de uma campanha anual para combatê-la?
Costa Barros: A gripe é uma doença produzida por um vírus chamado Influenza. A vacina previne contra esse tipo específico de vírus. Como ele sofre mutações, é importante que a vacinação seja feita a cada ano. Essa campanha é necessária porque a gripe, especialmente em pessoas suscetíveis, pode ser letal. Pode levar a uma pneumonia, por exemplo, e à morte. Além disso, há um segundo valor, que é a paralisação de atividades. A prevenção pode evitar que as pessoas deixem de ir ao trabalho, por exemplo.

Portal: Muitos confundem gripe com resfriado. Quais são as diferenças?
Costa Barros: A gripe, como disse, é uma doença produzida pelo vírus Influenza. O paciente apresenta um quadro de febre alta, dor no corpo, mal-estar geral, e pode ter complicações, como contrair uma pneumonia. É mais grave do que o resfriado, uma infecção respiratória mais branda, produzida por um grande número de vírus.

Portal: A vacina pode causar, pouco depois de tomada, gripe ou resfriado?
Costa Barros: A vacina da gripe não pode causar resfriado ou gripe. Ela é produzida com vírus mortos. Além disso, a vacina da gripe não previne contra o resfriado. Muitas pessoas adquirem um resfriado um mês após tomar a vacina e pensam que ela não teve efeito algum. A vacina da gripe protege especificamente contra os vírus da gripe.

Portal: Por que o grupo de idosos, crianças de 6 meses a 2 anos, gestantes e profissionais de saúde é prioritário?
Costa Barros: Os idosos, gestantes e as crianças têm uma capacidade de defesa ao vírus da gripe menor. Por isso, podem sofrer complicações mais graves. Já a população formada por profissionais da saúde e rlacionados à prestação de serviços indispensáveis, como os bombeiros, recebem a vacina para resguardar atividades essenciais mesmo em caso de surto. Além disso, os profissionais de saúde estão mais expostos a pessoas infectadas.

Portal: Presidiários também integram o grupo prioritário...
Costa Barros: Como a população carcerária vive em ambiente fechado, também está predisposta a sofrer com infecções. Por exemplo, a concentração de 20 pessoas na mesma cela aumenta o risco de infecção. Assim, torna-se importante a vacinação.

Portal: Pessoas com gripe podem ser vacinadas?
Costa Barros: Pessoas que estão numa fase de qualquer tipo de infecção devem, primeiro, controlar a infecção para receber a vacina. Se você tiver um quadro de infecção respiratória, por exemplo, deve esperar cerca de sete dias para receber a vacina.

Portal: Como essa vacina é produzida?
Costa Barros: Diversos centros de pesquisa, especialmente nos EUA, coletam materiais de pessoas que tiveram a gripe em diferentes partes do mundo. Assim, os novos vírus são identificados e acrescidos à lista dos já identificados. Com isso, a cada ano, temos uma atualização, com as mutações. Após esse trabalho, a vacina é produzida, com vírus mortos, e distribuída. Os países do Hemisfério Norte recebem por volta de outubro. No Hemisfério Sul, em abril e maio.