Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 25 de abril de 2017


País

Agência Pública abre pautas e portas da redação

Yasmim Restum - Do Portal

25/02/2015

 Divulgação

Em sua segunda edição, a campanha Reportagem Pública da Agência Pública de Reportagem e Jornalismo Investigativo, pioneira do Brasil em jornalismo investigativo independente e sem fins lucrativos, permite aos leitores fazer parte do Conselho Editorial, responsável por dar rumo ao trabalho dos repórteres. Além de poder votar mensalmente para eleger as investigações a serem feitas pela agência ao longo deste ano, o doador fará parte de um grupo privado de debates com os jornalistas, tendo acesso exclusivo a documentos, fotos, ao andamento da investigação e ainda ver a reportagem um dia antes de ser publicada. 

Fundada em 2010, a Agência Pública é ganhadora de mais de 10 prêmios jornalísticos, foi finalista em vários outros, e também realiza programas de tutoria para jovens jornalistas, bolsas de reportagens e incubação de projetos de jornalismo independente. A campanha já conta com mais de 600 colaboradores, incluindo a escritora e documentarista Eliane Brum (que faz parte do conselho consultivo), e está na sua reta final, recebendo arrecadações até o próximo sábado, 7 de março. A meta da agência é de arrecadar R$ 50 mil. A campanha, com o slogan Ocupe a Pública!, proporciona a leitores e interessados conhecer a dinâmica de funcionamento da redação.

A coordenadora de comunicação da Agência Pública, Marina Dias, conta que a equipe já percebia a necessidade de maior interação com o público principalmente desde o trabalho investigativo da agência durante as eleições presidenciais de 2014:

– A ideia de trazer pessoas para a redação e permitir que colaborem em todo o processo tem sido muito importante.  Nossa cobertura eleitoral, O Truco!, na qual checávamos tudo que os candidatos à Presidência diziam no horário eleitoral, nos mostrou que há uma demanda das pessoas de estar mais perto do nosso trabalho. Por isso, decidimos abrir as portas: convidamos o leitor a invadir o dia-a-dia do jornalista – destaca Marina, satisfeita.

Contribuindo com R$ 20, o doador participa da seleção mensal das investigações feitas pelos jornalistas em 2015, recebe novidades e fotos dos repórteres durante a investigação e participa do grupo privado de discussão das reportagens nas redes sociais, tendo seu nome exposto no site da agência. Doando acima de R$ 35, ainda participa de videochamadas com os repórteres no dia da publicação e ganha adesivo ilustrado pelo jornalista e cartunista De Maio, colaborador da agência. Acima de R$50, o doador recebe também e-books com as reportagens produzidas. Contribuições acima de R$ 80 incluem a ampliação de uma destas fotos da agência. Acima de R$130, o colaborador tem direito a visitar a redação da Pública, em São Paulo, e participar de workshop sobre como planejar e executar uma pauta investigativa. Doadores que contribuem a partir de R$ 2.500 tornam-se padrinhos da Agência Pública e recebem todas as reportagens e comunicações por e-mail, além de ter seu nome em destaque no site.

Clique para obter mais informações sobre a campanha e o projeto Reportagem Pública.