Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 26 de março de 2017


Esporte

Sem vez no Maracanã lotado de turistas, cariocas viajam

Gabriel Camargo - aplicativo - Do Portal

07/06/2014

 Tânia Rêgo/Agência Brasil

Quase 3 milhões de ingressos foram vendidos para esta Copa do Mundo 2014, número inédito na história da competição, mas bem abaixo dos 11 milhões de solicitações, ou seja, muita gente ficou de fora. Devido à concorrência, encontrar ingressos mais baratos para partidas menos interessantes já não é tarefa das mais fáceis. No Rio, a situação é ainda pior: como a cidade mais procurada, os cariocas têm dificuldade em encontrar ingressos para os jogos no Maracanã e precisam se virar para assistir a algum jogo do Mundial.

Na última quarta-feira (4), mais 180 mil ingressos foram disponibilizados no site da Fifa por ordem de chegada e, em seis horas, 160 mil foram vendidos. Alguns torcedores ficaram na fila virtual por horas e, quando entraram, o problema das outras fases se repetiu: enquanto em Manaus, Cuiabá e Natal sobravam entradas, no Rio apenas os tíquetes mais caros ou para categorias especiais (cadeirantes, deficientes e obesos) estavam disponíveis.

– As pessoas preferem ver Bélgica e Rússia no Rio a ver Inglaterra e Itália em Manaus. A cidade-sede faz muita diferença – comenta o estudante de publicidade Cayo Woebcken, que ainda tenta ingressos para alguma partida.

Na primeira fase de venda, a Fifa liberou, por meio de sorteio, a opção de compra de todos os jogos de uma determinada seleção ou cidade-sede. Na liderança isolada, o Rio de Janeiro teve 94.500 pacotes solicitados, à frente de Brasília, com 48.540, e São Paulo, com 46.916. Na última quarta-feira (4), uma hora após o início das vendas, esgotaram-se todos os ingressos para Bélgica e Rússia no Maracanã, enquanto o clássico entre Inglaterra e Itália, em Manaus, tinha todos os setores disponíveis.

Com a dura concorrência no Rio, a solução para o carioca seria viajar para outra cidade. Fernando Rezende, analista de mídias sociais da Lapa Comunicação, não conseguiu comprar ingresso para os jogos no Maracanã nas primeiras fases de venda e gastou dinheiro com passagens para Brasília. Porém, na última, um amigo conseguiu comprar para a final.

– Na última fase de vendas consegui o ingresso para a final porque um amigo comprou, mas já tenho viagem para assistir ao jogo em Brasília, fiquei com medo de não conseguir nenhuma partida e gastei quase R$ 500 em passagens e ingresso. Agora mais R$ 800 para o ingresso da final, que veio de última hora. Como não compensa vender o ingresso e alterar as passagens, vou aos dois.

 Outro que conseguiu ingresso de última hora foi o corretor Rogério Cherfen. Mas, diferentemente de Fernando, terá que viajar para assistir ao jogo de abertura em São Paulo, no dia 12 de junho. Com o preço alto das passagens, a viagem será mais cansativa:

– Meu irmão desistiu do jogo e me ofereceu, mas as passagens já estavam caras. Prefiro fazer uma viagem cansativa e ir ao jogo do que ficar sem nada. Ainda bem que o jogo é em São Paulo, que dá pra viajar de carro, porque do jeito que os ingressos estão acabando rápido, não iria em nada, até porque as passagens estão caras e as outras sedes são muito longes para enfrentar a estrada.

Porém, o preço alto nas passagens acaba inviabilizando essa opção: uma viagem para Manaus na sexta-feira (13) e volta na segunda-feira (já que passagens para domingo estão esgotadas), sairia por R$ 1.948, enquanto o ingresso no melhor setor do Maracanã na final da Copa do Mundo custaria mais R$ 1.980. Contando o preço do tíquete da partida em Manaus mais as taxas de embarque, nem mesmo o lugar mais caro do jogo mais desejado do Mundial sairia tão caro.

– É impossível. Além de passar horas com o site carregando na fila virtual, quando consegui entrar não tinha nenhum ingresso para o Rio. Todo mundo comprou para os jogos daqui. Mesmo os ingressos baratos em outros estados, as cidades mais próximas, em que eu poderia ir de carro, por exemplo, também não têm ingresso. Para os jogos mais distantes, as passagens estão muitos caras – lamenta Cayo.

Outros torcedores tiveram mais sorte. A publicitária Carolina Kingma ficou pouco tempo na lista de espera. Não conseguiu, porém, encontrar ingressos para a Final, nem os mais baratos para as partidas no Maracanã:

– Os ingressos aparecem e somem muito rápido. Do momento em que você vê algum jogo disponível até a hora de selecionar, já foi vendido. Os jogos do Rio ficaram todos indisponíveis rapidamente; nem o jogo de abertura em São Paulo acabou tão rápido. Todo mundo quer vir para cá, até quem mora lá deve preferir passar umas férias aqui.

 Marcelo Camargo/Agência Brasil O Rio é, normalmente, um dos principais destinos de estrangeiros no Brasil, tanto é que entre dezembro de 2012 e março de 2013 recebeu mais de 3 milhões de visitantes. Na Copa não deverá ser diferente. Do número total de ingressos vendidos, 28,5% foram para estrangeiros, os principais visitantes virão dos Estados Unidos (66.646), 22.257 da Inglaterra e 18 mil torcedores da Alemanha.

A falta de ingressos para quem mora no Rio de Janeiro parece não ser exclusividade dos torcedores da Cidade Maravilhosa. André Brotto, estudante de Medicina e morador de São Paulo, também reclama da falta de ingressos para quem é da cidade:

– É até engraçado, parece que o sistema da Fifa oferece mais ingressos para quem é de fora das cidades ou estados. Somando todas as fases de venda, consegui comprar para quatro partidas, duas no Rio e duas em Salvador. Agora fico na internet atrás de alguém que queira trocar comigo por algum jogo de São Paulo, mas acho difícil.

Cambistas atuam livremente na internet

Enquanto os torcedores passam horas para conseguir ingressos e assistir a pelo menos um jogo da Copa do Mundo, outros esbanjam “coleções” em grupos do Facebook. No site da Fifa, tíquetes para qualquer jogo no Maracanã ou na Arena Corinthians já estão esgotados em todos os setores, porém, na internet, ingressos para final, abertura, jogos do Brasil ou qualquer outra partida estão disponíveis.

O administrador Rodolfo Toscano solicitou ingressos em todas as fases de venda, mas não conseguiu para nenhuma partida no Rio. Sem tempo para viajar no período da Copa, Rodolfo está atrás de ingressos na internet, mas não acredita que vá conseguir:

– Encontrar ingresso é fácil para qualquer partida. São muitos grupos no Facebook em que os ingressos são vendidos, o problema é achar alguém que cobre um preço justo, que realmente queira vender porque não vai poder ir ao jogo, por exemplo. Até entendo quem cobre um pouco mais, mas tem gente cobrando dez vezes o valor que pagou, é um absurdo.

Os ingressos para esta edição do Mundial são considerados os mais baratos da história, os preços de ingressos para categoria 4 com direito à meia-entrada (400 mil do total de 3 milhões) variam entre R$ 30 (em jogos da primeira fase) e R$ 165 (final). Porém, na internet, alguns bilhetes são vendidos por preços muito mais altos.

Erika Bataglia, professora e psicopedagoga da Faculdade de Tecnologia do Nordeste (Fatene), anuncia no grupo do Facebook “Ingressos Copa do Mundo 2014” pares na categoria 4 (mais barata) e todas com meia-entrada para estudante em jogos no Castelão, Fortaleza. No total, Erika gastou R$ 230 (pares para Uruguai e Costa Rica, Grécia e Costa do Marfim e o jogo das oitavas-de-final), mas pede R$ 2.500 pelos seis ingressos.