Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2017


Educação

Reitor é eleito "Personalidade Educacional" pela segunda vez

João Pedroso de Campos e Patrícia Côrtes - Do Portal

11/10/2012

 Carlos Serra

O reitor da PUC-Rio, padre Josafá de Siqueira, foi premiado como “Personalidade Educacional”, repetindo o feito de 2010, quando assumiu a reitoria da universidade. A honraria é concedida pela Associação Brasileira de Educação (ABE), a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e o jornal Folha Dirigida àqueles que colaboraram com o fortalecimento da educação, da cidadania e do desenvolvimento social do Brasil. A escolha é feita por especialistas em pedagogia. Foram registrados 2.454 votos no total. Pesou na decisão o engajamento da universidade em iniciativas sustentáveis, como a realização de encontros e conferências sobre desenvolvimento durante a Rio+20. Ao comentar o prêmio, o reitor reafirmou que a sustentabilidade não deve se limitar à teoria. Para o padre Josafá, é preciso conciliar discurso e prática.

Para o biólogo, formado ainda em filosofia e teologia, professor do Departamento de Geografia da PUC-Rio desde 1986, estudioso e grande defensor da pauta ambiental, o prêmio é um reconhecimento à comunidade e aos professores, a quem estende a premiação: “A eleição de um membro da PUC significa a eleição da PUC”.

– O prêmio é voltado a pessoas e instituições. O professor merece ser destacado. Eu gosto do magistério. Gosto de dar aula, gosto de estar em sala de aula, isso é fundamental pra mim. O professor tem de ser valorizado. Não falo só economicamente, falo do aspecto do professor como encadeador de mudanças, de formação da sociedade. Eu socializo meu prêmio com toda a comunidade PUC-Rio e com meus colegas de magistério.

Foi padre Josafá quem introduziu os estudos na área ambiental na Universidade e fundou o Núcleo Interdisciplinar do Meio Ambiente (Nima). Importante marco na coleta seletiva de lixo, a Agenda Ambiental também foi idealizada por ele, em 2009, um ano antes de se tornar reitor. Ele acredita ter sido decisivo na escolha o destaque da universidade na área da sustentabilidade, com destaque a conferências como o Fórum de Ciência, Tecnologia, Inovação e Desenvolvimento Sustentável e o seminário Ideias Justas:

– Quando criamos o Nima, o tema da ecologia estava ascendente na sociedade. Os projetos são comuns, vários departamentos participam da agenda ambiental. Eu vejo evolução, porque o núcleo foi ampliando a parte da educação ambiental e depois foi crescendo na articulação com os departamentos. O Nima hoje tem relação com todos eles. A Rio+20 provou a presença do núcleo, que estava presente na discussão com os cientistas de todo o mundo reunidos na PUC.

Segundo o reitor, os projetos ecológicos da universidade não param por aí. A interação entre o Nima e os demais departamentos da universidade origina projetos que vão sendo inseridos na agenda ambiental, dando norte às ações e criando metas de longo prazo. Padre Josafá afirma que testemunho e prática têm de ser maiores: o discurso ecológico deve ser conscientizador, mas a atitude e a prática são fundamentais.

– Não somos só estudiosos das questões ambientais. Nós juntamos a teoria e a prática, damos testemunho, plantando, cultivando, cuidando. Procuro equilibrar o discurso e a prática – afirmou. – A agenda busca integrar os horizontes dos departamentos. Isso é uma marca da PUC, que está voltada às questões socioambientais. Há muitos projetos na agenda, para alguns só faltam mais subsídios. Os departamentos trabalham integrados e a cada ano temos resultados positivos. Acredito que este seja um ponto ligado à premiação.

Entretanto, reitera que, sem o envolvimento da comunidade, ações de sustentabilidade, como a instalação de lixeiras no campus, não surtem efeito:

– Eu tenho uma memória muito grande do campus. Muitas destas espécies que há no campus fomos eu, meus colaboradores e alunos que plantamos. Até os nomes científicos das espécies do campus eu sei. Ao andar pela PUC, eu percebo detalhes de coisas que precisam melhorar. Acho que a educação ambiental precisa melhorar muito. Falta mudança nas pessoas, isso me deixa triste. As condições foram criadas, falta iniciativa das pessoas.

Para o reitor da PUC-Rio, o prêmio é, também, reconhecimento da comunidade do Rio à qualidade do ensino da universidade e a seu papel na melhoria da educação no país. Ele pondera que uma relação melhor do homem com a natureza, e a busca dos desafios que há a nível mundial, devem ser conciliados.

– A PUC tem um lugar especial na comunidade educativa do Rio de janeiro. Não sou o primeiro reitor da PUC a receber esse prêmio. Isso mostra o reconhecimento da sociedade carioca à excelência da universidade na formação de pessoas, na melhoria da educação no país.

A cerimônia de entrega do prêmio será realizada no Jockey Club Brasileiro, na próxima sexta-feira (18), às 19h.