Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 23 de maio de 2017


Cultura

Homenagens aos 95 anos de Clarice Lispector

Mariana Casagrande - aplicativo - Do Portal

09/12/2015

 Arquivo

Uma série de homenagens marca os 95 anos de nascimento da escritora Clarice Lispector. Nesta quinta-feira, no Instituto Moreira Salles, haverá leitura de crônicas para jovens e adultos, às 12h30 e às 15h; exibição do vídeo O ovo, Clarice e a galinha, dirigido por Eucanaã Ferraz e Laura Liuzzi, às 20h, mesmo horário da peça Clarice e eu – o mundo não é chato, adaptado por Rita Elmôr e dirigido por Rubens Camelo.

No sábado, 12, o universo infantil de Clarice vai colorir a Livraria da Travessa de Botafogo (Voluntários da Pátria, 97), onde os atores Claudio Mendes e Suzana Nascimento vão ler para crianças A vida íntima de Laura, escrito por Clarice em 1974, com direção de Clarisse Fukelman, professora do Departamento de Comunicação da PUC-Rio.

Ainda faz parte desse repertório a série de leituras dramatizadas e palestras gratuitas A hora de Clarice, organizada pelo Sesc-Rio inspirado no aniversário de 450 anos da cidade e na biografia da escritora. A programação começou na terça, com o encontro “Por onde andou Clarice?”, que reuniu contos, crônicas e frases emblemáticas da escritora. Selecionados por Clarisse Fukelman, esses textos foram lidos pelas atrizes Clarice Niskier, Ester Jablonski e pelo ator Pedro Paulo Rangel, sob a direção da atriz e professora de artes cênicas Ana Kfouri. Conduziram os espectadores por um passeio sobre o olhar e o mundo da escritora e serviram de pano de fundo para o debate dividido em quatro temas “A cidade como cicatriz”, “A cidade como encantamento”, “A cidade como memória” e “A cidade como paixão”. Participaram da discussão os professores de Estética e Teoria da Arte Roberto Corrêa, da UFRJ, e Renato Cordeiro Gomes, dos Departamentos de Comunicação Social e de Letras da PUC-Rio, especialista em literatura e cidade.

As homenagens continuam, no Rio, com a estreia do filme A descoberta do mundo, dirigido por Taciana Oliveira, com seção às 19h na sexta 11, no Museu da República, no Catete; e no sábado 12, no Centro Cultural Atriz Chica Xavier, em Olaria, às 18h. O documentário será lançado em outras cidades, como Brasília, São Luís e Fortaleza e em outros países, como Alemanha, Argentina, Inglaterra e Porto Rico.

Clarice Lispector nasceu na Ucrânia e chegou ao Brasil ainda pequena, em 1922, fugindo da perseguição aos judeus na Europa. A escritora alegava não ter relações afetivas com o país onde nasceu e se considerava brasileira e pernambucana. Suas obras estão repletas de cenas cotidianas e tramas ligados ao inconsciente dos personagens. Em novembro, a coletânea de contos The complete stories entrou para a lista dos 100 melhores livros de 2015 organizada pelo jornal norte-americano The New York Times