Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 28 de março de 2017


Cidade

Educação em saúde vira tônico social

Juliana Reigosa - aplicativo - Do Portal

16/12/2014

 Alunos/ESSA

O conhecimento de temas associados a saúde e saneamento ambiental beneficia a rotina de moradores de áreas carentes do Rio, como o Complexo do Alemão e a Vila Kennedy. Assim aposta o Curso de Educação em Saúde e Saneamento Ambiental (Essa), iniciativa da PUC-Rio cuja edição é feita em parceria com o Serviço Social do Comércio (Sesc-Rio). O curso capacita educadores em saúde para ações voltadas a melhorar as condições de vida em comunidades pobres, ao conjugar questões extraídas do cotidiano com o envolvimento dos cidadãos. Orientados por professores do Canadá (Universidades de Ottawa e de Victoria), do Reino Unido (Universidades Metropolitana de Manchester e de Oxford), dos Estados Unidos (Universidades de Oklahoma, Califórnia San Francisco/Berkeley e Georgetown) e do Brasil (além da PUC-Rio, Fiocruz e Núcleo de Estudos da Saúde do Adolescente, da Uerj), os alunos vão apresentar os materiais audiovisuais produzidos nesta quarta-feira (17), a partir das 9h, no auditório do Sesc-Rio (Rua Marquês de Abrantes 99,  Flamengo).

A educação participativa em saúde e saneamento ambiental é uma aspiração de diferentes povos e culturas ao redor do mundo, mesmo em países desenvolvidos, ressalta o coordenador do ESSA e professor da PUC-Rio Flavio Wittlin. Para ele, a principal contribuição de iniciativas do gênero é "potencializar mudanças positivas na realidade das comunidades":

– É a oportunidade de um envolvimento cidadão e qualificado das comunidades no enfrentamento dos temas desenvolvidos. Com uma metodologia participativa, rompemos os limites da educação em saúde e saneamento ambiental, tutelada e usualmente fracassada, ao trazermos a participação comunitária, seja na seleção dos temas de saúde e saneamento ambiental ou no uso de tecnologias de comunicação. Acreditamos que este modo de trabalho potencializa a possiblidade de mudar realidades.

A novidade desta edição é o uso das Tecnologias de Comunicação Comunitárias (TCC), denominadas assim pelo professor da PUC-Rio Sergio Bonato. Consiste em vídeos participativos e photovoice, uma galeria de fotos digitais com título e comentários narrados de viva voz. Wittlin reforça que essas mídias implementadas são parte de um processo participativo que começa na escolha dos temas relacionados a saneamento e saúde, passa pela captura de imagens, realização de entrevistas com moradores, edição do material e culmina com a exibição dos trabalhos nas comunidades:

– As mídias promovem a ampliação do debate sobre os temas. A partir disso, esperam-se propostas de soluções para os problemas levantados comunitariamente.

A primeira edição do Essa, em 2011, voltada à Rocinha, foi contemplada pelo Ministério da Saúde com a menção honrosa do Prêmio Victor Valla de Educação em Saúde. Inspirado por um círculo virtuoso, segundo o professor da PUC-Rio, o curso prioriza a interação comunitária em saúde e saneamento, via TCC, nas comunidades:

– Depois vem a excelência acadêmica, assim como o envolvimento comunitário dos nossos docentes. E, finalmente, as experiências de suas bagagens intelectuais cosmopolitas, que permitem formidáveis intercâmbios com nossos alunos – acrescenta o coordenador do Essa.

A abordagem participativa, tanto na definição dos temas de saneamento e saúde, quanto no manejo das TCC, é o fio condutor de todo o processo de trabalho. De modo simultâneo, o curso combina aulas teóricas sobre História e conceitos de saúde e saneamento ambiental, aulas teóricas e práticas de tecnologia de comunicação audiovisual e trabalho de campo na comunidade.

– Na parte teórica, apresentam-se docentes procedentes de importantes centros acadêmicos nacionais e internacionais. É nesta fase que os temas são determinados pelos alunos do curso.  Na parte teórico-prática, o professor Ernani Ferraz, do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, coordena o ensino técnico do uso das TCC. Já no trabalho de campo, o professor convidado André Albuquerque e eu orientamos o roteiro de filmagem e captura de imagens para galeria de fotos – explica Wittlin, também assessor do Sesc-Rio.

Os produtos visuais concluídos pelos alunos serão exibidos nesta quarta ao público composto por familiares, docentes e funcionários do Sesc, além de representantes de instituições de ensino, como INCA, UFRJ, UERJ, UFF, além da PUC-Rio. “O mais importante e prolongado esforço terá lugar no Complexo do Alemão, a partir de reuniões comunitárias cada vez mais amplas e participativas”, enfatiza o coordenador do projeto.

Fora a apresentação dos vídeos e photovoice, está programada aula de encerramento sobre a importância do trabalho comunitário. O programa contempla, em seguida, uma conferência do educador e geógrafo Jailson de Souza e Silva, um dos fundadores do Observatório das Favelas.