Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 21 de fevereiro de 2017


Campus

Calouros são recebidos com dicas de mercado de trabalho

Carolina Ernst, Giovanna Santoro, Gustavo Cortes, Luisa Oliveira, Mariana Casagrande e Thayana Pelluso* - aplicativo - Do Portal

29/02/2016

 Thayana Pelluso

As perspectivas do mercado de trabalho, diante da atual crise econômica do país, foram tema da recepção aos calouros do Centro Técnico Científico (CTC) da Pontifícia Universidade Católica do Rio, na manhã desta segunda-feira. Diante do receio dos alunos, o decano do CTC, Luiz da Silva Melo, se mostrou esperançoso em relação à recuperação do crescimento econômico e dos postos de trabalho. Melo, formado em engenharia elétrica, fez uma introdução à dinâmica do curso e ressaltou  sua importância:

– A engenharia é essencial. Mesmo com a desaceleração da economia, é possível encontrar setores em que faltam engenheiros, embora a maior parte deles, como a engenharia civil, apresente dificuldades. No momento em que a economia voltar a crescer, a demanda por engenheiros explodirá novamente.

Um exemplo de quem está apostando no futuro da engenharia é a caloura Aline Freitas, 33 anos, que está cursando sua segunda faculdade.

– A minha primeira faculdade foi engenharia florestal, na UFRJ. Meu atual objetivo é voltar ao mercado de trabalho. Eu optei pela PUC-Rio pela garantia de não haver greves, pela organização e estrutura. Eu busco aproveitar todas as oportunidades da universidade, como cursos de línguas, intercâmbio e cursos de extensão para me destacar no mercado.

Thayana Pelluso  Na apresentação da universidade aos novos alunos, o reitor, padre Josafá Carlos de Siqueira, ressaltou o aspecto comunitário da PUC-Rio e a integração entre departamentos e alunos dos diferentes cursos. Em sua fala, acentuou a oportunidade de os alunos cursarem graduação, pós-graduação e participarem de diversos projetos de pesquisa, como o programa de treinamento no Laboratório de Engenharia de Software, em parceria com a Apple, em que os alunos são treinados para se tornarem desenvolvedores de aplicativos na App Store.

O aluno João Marcelo Tostes optou pelo curso de Ciência da Computação pelas condições apresentadas para se firmar nesse mercado em ascensão.

– A PUC sempre foi a minha primeira opção, por ter programas próprios e grande infraestrutura.

Outro importante programa apresentado aos calouros foi o Instituto Genesis, há vinte anos em atividade na PUC. Por ser o celeiro de empresas mais premiado do Brasil, é uma oportunidade para os alunos que já concluíram seus cursos ou estão em fase de conclusão. As empresas incluídas no projeto recebem, durante dois anos, como apoio o espaço físico, assessoria jurídica e assessoria para fazer planos de negócios.

Rumos para Química

A professora do Departamento de Química, Camilla Buarque, destacou as ótimas oportunidades no mercado de trabalho, além da área acadêmica, dentro das agências do governo, centros de ciência e pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Polícia Civil, na área de perícia criminal. Segundo ela, a PUC-Rio oferece boas oportunidades de pesquisas, como a que foi feita recentemente por ela e outros professores do departamento, em que descobriram moléculas eficazes no tratamento do câncer. Gabriel, de 18 anos, que está iniciando o curso neste semestre, afirmou sentir-se feliz por trabalhar nessa área que oferece esperança pela cura de doenças.

Thayana Pelluso  – Acredito que estejam faltando químicos no mercado e, por isso, quero desenvolver pesquisas e contribuir para descobertas importantes para a sociedade, como essa das moléculas alcaloides, que podem ser um passo importante para a cura do câncer – elogiou Gabriel, que ainda gostaria de atuar em pesquisas voltadas para a radioatividade  – “o mercado do Rio tem uma demanda nessa área da química, por causa da questão energética das usinas de Angra” – e na área inorgânica, como indústria de cosméticos e alimentos.

Também entre os recém-chegados deste ano, as amigas Matilde Fernandez, 17 anos, e Thauany Vigar, 18, decidiram entrar juntas na universidade. Matilde contou que seu sonho era cursar jornalismo na PUC:

– Eu tenho muita vontade de estar diante e atrás das câmeras. Já conhecia o curso de jornalismo da PUC por pesquisas e também porque tios meus fizeram pós-graduação aqui. No início eu optei por direito, mas acabei seguindo o meu coração. Sei que o mercado em comunicação está difícil, mas sempre foi meu sonho. Estou realizada por estudar aqui.

Thauany, que entrou para Letras, optou pela PUC para ficar perto da amiga:

 Paula Bastos Araripe  

– Escolhi a PUC por causa dela. Sempre estudamos em instituição federal e ficávamos nos perguntando se também queríamos entrar em uma universidade pública. Ela sempre dizia que a PUC era maravilhosa, então eu prestei o vestibular e passei. Minha família está em êxtase, a ficha não caiu ainda. Estou muito ansiosa para começar.

André Pope, de 19 anos, escolheu a PUC por referência do irmão mais velho:

– Ele estudava geografia aqui e sempre elogiou a universidade. Confesso que não sei o que esperar, mas espero que me identifique com o curso.

Caloura do curso de ciências biológicas, Vanessa Souza, de 21 anos, compareceu às boas-vindas acompanhada da mãe, a técnica em química Leila Márcia Souza, de 52 anos. Vanessa se preocupa bastante com os estudos:

– Fiz vestibular para outras instituições, mas vim para a PUC. Pesquisei sobre o curso e achei muito bom! Minha maior ansiedade é para conhecer os laboratórios. Sei que os alunos veteranos fazem muita festa, mas me concentro mais nos estudos.

Leila está contente por ver a filha no curso que sempre desejou:

– Tenho uma amiga que já estudou ciências biológicas aqui e ela sempre me recomendou. Quando a Vanessa foi aprovada, fiquei muito feliz.

Trote do Amor

Desde o ano passado, a PUC-Rio participa do Trote do Amor, que arrecada alimentos não perecíveis para diversas instituições da cidade. O projeto engloba 11 instituições universitárias e cerca de 70 núcleos acadêmicos. O trote alcançou mais de cinco toneladas na primeira edição, sendo a PUC a segunda em volume arrecadado.

Para o coordenador setorial de Graduação do Centro de Ciências Sociais, Augusto César Pinheiro da Silva, o evento “engrandece o corpo docente”. O Trote do Amor vai até o dia 4 de março e as doações da PUC-Rio este ano serão destinadas ao Instituto Rogerio Steinberg.

Acolhimento marcado pela solidariedade

Thayana Pelluso  Novidade este ano, o Meu Primeiro Dia Na PUC contou com a participação de coletivos da universidade. Um deles foi o Coletivo Nuvem Negra, que completa em abril um ano de existência. Com o intuito de agregar estudantes negros da universidade para grandes encontros e debates, eles divulgaram o trabalho aos calouros: “É importante eles se sentirem acolhidos neste momento”, acredita Natany Luiz, de 21 anos, estudante de Relações Internacionais e uma das fundadoras. Mariana Xavier, 21, é estudante de Serviço Social e também membro do grupo, que realiza reuniões semanais às quartas, às 19h no Centro Acadêmico de Ciências Sociais (Casoc), na Vila dos Diretórios. Ela ressalta que há filiados de todas as faixas etárias:

– Ultimamente têm-se equilibrado a quantidade de homens e mulheres no coletivo e são de todas as idades e todos os cursos. Costumamos fazer reuniões para os alunos negros, mas há eventos abertos a todos que quiserem participar.

Missa de recepção

Após a recepção da manhã no Ginásio, foi celebrada a tradicional Missa de Recepção aos Calouros, organizada pela Pastoral Universitária Anchieta, pelos padres José Abel de Souza e co-celebrada por Waldecir Gonzaga, Alexandre Paciolli e  Paul Alexander Schweitzer, que reuniu na Igreja Sagrado Coração de Jesus aproximadamente 400 pessoas.

* Colaborou Paula Bastos Araripe.