Projeto Comunicar
PUC-Rio

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Rio de Janeiro, 17 de outubro de 2017


Antigos Alunos

Um mestre na arte de selar acordos

Patricia Royo - Do Portal

22/01/2009

Melhor comemoração do 8 de dezembro, Dia da Justiça, impossível: os tribunais de todo o país se uniram na Semana Nacional da Conciliação, entre 1o e 5 de dezembro . A maratona alcançou a marca recorde de 109 mil acordos, 977 deles pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio Janeiro. À frente da presidência do TJ/RJ está o desembargador José Carlos Schmidt Murta Ribeiro, entrevistado do quadro Nossos Ex-alunos (saiba mais no veja).

- A conciliação resulta na execução imediata. Sem essa alternativa, os processos demoram, porque podem ser julgados em várias instâncias. Os nossos códigos de processo civil e processo penal permitem muitos recursos, afirma Murta Ribeiro.

Esse ano, cerca de 200 juízes trabalharam no Fórum Central para antecipar 1.363 audiências. Foram mais de dez horas diárias para garantir um índice de acordos de 71,68%, acima das marcas dos anos anteriores. Essa foi a terceira vez que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) concentra em um período no mês de dezembro a realização de conciliações para agilizar o processo. O recorde, no entanto, não surpreende quem conhece o desembargador desde os tempos de escola.

- São duas as características principais de Zé Carlos. Primeiro, ele é uma pessoa de fidelidades. Fidelidade a sua fé católica, a Carol Murta, sua esposa, e aos amigos, como testemunhamos todos que fomos seus colegas na turma de 1966 de Direito da PUC. Segundo, ele é uma pessoa de cordialidades e de conciliação, que o leva ao mais alto cargo da Justiça do Rio de Janeiro, assegura Joaquim Falcão, diretor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas e membro do CNJ.

Presidente do TJ do Rio Janeiro, desde 2007, Murta Ribeiro implantou uma novidade nessa edição da Semana: dois ônibus da Justiça Itinerante foram posicionados em frente ao prédio do Fórum. Ali, foram realizadas 900 audiências, todas dos Juizados Especiais Cíveis, responsáveis pela metade do total de um milhão de processos de tramitam por ano, no Judiciário Estadual.